Prefeitos solicitarão ao estado que máquinas e caminhões fiquem à disposição dos municípios nas SDRs.
Prefeitos solicitarão ao estado que máquinas e caminhões fiquem à disposição dos municípios nas SDRs.

Priscila Alano
Tubarão

Os prejuízos com as chuvas dos últimos meses foi um dos assuntos principais na reunião dos prefeitos que compõem a Amurel, ontem, em Tubarão. A choradeira é geral. Todos foram atingidos, amargam prejuízos e não há recursos suficientes para a recuperação de pontes e estradas. Entretanto, do outro lado, há a cobrança da população que pedem a manutenção das vias.

Uma sugestão é que os estados, através das secretarias de desenvolvimento regional, tenham à disposição dos municípios uma patrulha mecanizada para auxiliá-los.
Os prefeitos da Amurel alegam que a documentação necessária foi encaminhada tanto para a Defesa Civil quanto para o Ministério da Integração. “Não recebemos ajuda externa, queremos que o recurso seja repassado direto do ministério da integração para os municípios”, afirma o prefeito e presidente da Amurel, Celso Heidemann (PP). Os municípios também decretaram situação de emergência e estado de calamidade pública em função das enxurradas.

O prefeito de Capivari de Baixo, Luiz Carlos Brunel Alves (PMDB), afirma que na cidade as equipes trabalham na recuperação das estradas. O loteamento Camila foi um dos mais atingidos. “Capivari tem apenas 120 quilômetros de estradas, 90% já conta com pavimentação asfáltica ou paralelepípedo. Mas tem municípios que possuem uma grande extensão de estradas de chão”, destaca Brunel.

A proposta dos prefeitos que será encaminhada para o estado é que seja implantada uma estrutura regional com caminhões e máquinas para ajudar os municípios em situações de emergência, como em épocas de enxurradas.

Prejuízos
O prefeito de Armazém, Jaime Wensing (PSDB), revela que no município há seis pontes quebradas. Só para a reconstrução de uma, é necessário R$ 1 milhão. A prefeita de São Martinho, Leonete Back Loffi (DEM), argumenta que a arrecadação dos municípios continua a mesma, porém, as despesas aumentaram com as cheias.

Laguna pede ajuda para limpar praias

O município de Laguna, através de ofício, pediu ajuda aos prefeitos da região para ajudar na recuperação da cidade, após as cheias, principalmente nos balneários. Porém, duas situações impossibilitam a ajuda: a primeira é financeira; e a segunda é a questão burocrática. Para o empréstimo de equipamentos entre municípios, é necessária autorização da câmara de vereadores. “Não é falta de bom senso, mas todas as cidades tiveram prejuízos com as chuvas”, justifica o prefeito de Santa Rosa de Lima e presidente da Amurel, Celso Heidemann (PP).

Fosfateira: municípios são contra

Outro assunto abordado na assembleia dos prefeitos que integram a Amurel foi a exploração de fosfato na comunidade de São Paulo dos Pinheiros, interior de Anitápolis. O projeto é da Indústria de Fosfatados Catarinense, hoje nas mãos da Vale e Yara. Alguns municípios já ingressaram com uma ação civil pública no Ministério Público Federal contra a implantação e exploração da atividade em Anitápolis.

As lideranças da região alegam que a população é contra qualquer atividade que venha a comprometer os recursos naturais da região. O posicionamento dos prefeitos foi embasado no relatório do Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio Tubarão e Complexo Lagunar, cujos estudos apontam divergências de informação em relação ao Estudo de Impactos Ambientais (EIA/Rima) apresentados pela IFC. O prefeito de Santa Rosa de Lima e presidente da Amurel, Celso Heidemann (PP), explica que as lideranças não são contra o desenvolvimento. “Apenas lutamos para que o meio ambiente seja preservado”, afirma o prefeito.