Tubarão

A luz no fim do túnel para salvar a Associação dos Servidores Públicos da Prefeitura Municipal de Tubarão poderá vir da iniciativa privada. Isto se alguém quiser colaborar com os trabalhadores. Caso contrário, a presidenta da entidade, Juciane Nascimento Domingos Ferreira, não vê outra alternativa senão fechar definitivamente as portas.

Em julho de 2007, veio à tona uma dívida de aproximadamente R$ 700 mil, junto ao plano de saúde dos servidores, vários fornecedores e instituições bancárias. Nestes últimos dois anos, alguns funcionários ingressaram com ações trabalhistas e fornecedores com ações de execução. Resultado: hoje, 30% da arrecadação total da associação é retida na fonte para pagar os fornecedores e a sede social, na rua Lauro Müller, foi penhorada pela justiça do trabalho para quitar as dívidas com os ex-empregados.

A associação arrecada R$ 11.820,00 refere à mensalidade de 985 sócios e outros R$ 4 mil, aproximadamente, de retenção de convênio (o valor varia conforme o número de estabelecimentos conveniados). O que sobra é insuficiente para a manutenção da entidade. “Nossa dívida, com os juros, passa de R$ 1 milhão. Não há como pagar. Caso alguém do setor privado não injete dinheiro, não haverá outra solução a não ser fechar mesmo”, lamenta Juci.

Além das execuções por parte dos fornecedores, os servidores associados agora estão impedidos de comprometer mais de 30% do salário em convênios com a entidade. A lei existe desde 2001, mas nunca foi cobrada. Fator este que poderá acarretar uma arrecadação ainda menor. No dia 13 do próximo mês, uma assembleia geral será feita, no auditório da Unimed, para bater a situação financeira da entidade. “Caso os servidores não concordem com as novas propostas, colocarei o cargo à disposição. Sozinha e sem apoio, não tenho como levar esta situação adiante”, pondera Juci.