Ivani acusa  o conselho de perseguição política.
Ivani acusa o conselho de perseguição política.

Treze de Maio

Os associados da Cooperativa Regional Sul de Eletrificação Rural (Coorsel), localizada em Treze de Maio, terão uma assembleia geral no dia 17 do próximo mês para discutir se o presidente Ivanir Vitorassi continuará no cargo. A reunião foi convocada pelo conselho administrativo. Ivanir alega sofrer perseguição política por ter feito denúncias quanto ao antigo presidente, Geraldo Knabben.

“Se alguém está sendo vítima de perseguição somos nós. Afinal, o que aconteceu ontem (quinta-feira) o que era?”, revela um dos integrantes do conselho, Luiz Cordioli. Na quinta-feira, o conselho tentou reunir-se na Coorsel para votar a convocação da assembleia. Contudo, um grupo de funcionários e partidários impediu. O encontro ocorreu em uma igreja em Orleans.

“Não temos poder para tirar o presidente. De acordo com o estatuto, podemos convocar uma assembleia. Quem irá retirar é o associado”, acrescenta Cordioli.
A reunião extraordinária foi convocada porque Vitorassi não executou pelo menos 27 deliberações do conselho. O que inclui a contratação e demissão de funcionários. O ex-presidente foi um dos demitidos sem a aprovação do conselho.
Vitorassi afirma que o conselho se virou contra ele após ele fazer uma investigação nas finanças da Coorsel e descobriu inúmeras irregularidades. Ele aponta que as compras estavam superfaturadas entre 20% e 172% pela gestão anterior.

Segundo Vitorassi, o salário de um integrante da gestão foi aumentado em 100% sem aprovação do conselho. Foi de R$ 7 mil para R$ 14 mil. Dos 45 funcionários da Coorsel, 38 participam de um abaixoassinado onde reivindicam a permanência de Vitorassi no cargo.

Auditoria
O presidente da Cooperativa Regional Sul de Eletrificação Rural (Coorsel), Ivanir Vitorassi, pediu a realização de uma auditoria nas contas da organização ao Conselho Administrativo, que negou. De acordo com um dos integrantes do conselho, Luiz Cordioli, o pedido não foi aceito porque não há provas.