Rafael Andrade
Laguna

“Precisamos mendigar atrás de vagas. Isto é um absurdo”, reclama a promotora Sandra Giesta da Silva, titular da terceira promotoria de justiça da comarca de Laguna. Ela recebeu um adolescente de 17 anos, acusado de matar Maycon Luiz Vieira da Silva, 27, domingo à tarde, por volta das 16 horas, no bairro Progresso, em Laguna, e precisou liberá-lo cinco horas depois.

O menor foi apreendido menos de duas horas após o crime, na localidade de Casqueiro, a poucos metros do local do homicídio. Ele confessou o crime e disse ter atirado três vezes em Maycon. A vítima chegou a ser socorrida, mas morreu assim que deu entrada no Hospital Nosso Senhor Bom Jesus dos Passos, também em Laguna.

O menor passou a noite na Central de Polícia e foi deixado no fórum para ser encaminhado a um Centro de Internamento Provisório (CIP) do estado.
Como todo o sistema está superlotado e ainda há filas de espera devido aos altos índices de atos infracionais praticados por adolescentes e crianças, o homicida foi liberado 24 horas após ter matado Maycon.

Ele voltou para casa e ainda zombou da falha no sistema. “Eu já sabia que poderia ocorrer isto. Conheço dois adolescentes que mataram um colega meu em julho (André Duarte Martins, de 18 anos) e eles estão soltos”, disparou o menor.

Foi a 29ª pessoa assassinada na região este ano, a quinta vítima em Laguna. Como em Tubarão, onde 12 pessoas já morreram, todos são homens.
O adolescente disse à polícia que matou motivado por ciúmes, mas há suspeitas de uma rixa com uma gangue rival, motivada pelo tráfico de drogas na cidade.

O que diz o estado…

Andréa Souza, chefe da gerência de medidas socioeducativas da secretaria de segurança pública do estado, explica que há um prazo de cinco dias para manter o adolescente retido na carceragem da delegacia. Mas, como em Laguna, só existe uma cela na Central de Polícia, a justiça decidiu pela liberação do menor em vez de deixá-lo lá, ‘misturado’ com presos adultos.

“E se ocorre algo contra ele? Quem seria o responsável, o estado? É preciso mais atenção ao sistema prisional, principalmente aos adolescentes, pois a maioria dos crimes praticados hoje tem participação de menores”, alerta a promotora de justiça Sandra Goulart Giesta da Silva.

Um outro adolescente, também de 17 anos, acusado de participação em vários assaltos na região de Braço do Norte, deve ser liberado hoje, pois ele está retido há cinco dias na carceragem da delegacia da cidade e é o primeiro na fila de espera para o Centro de Internamento Provisório (CIP) de Tubarão, que atende 17 municípios da região e tem capacidade de 12 vagas.