Amanda Menger
Tubarão

Os prefeitos tomam posse nesta quinta e já sabem o que farão nos primeiros dias de governo. A intenção da maioria é pôr em prática promessas feitas em campanha. Entre os municípios que pretendem dar atenção à educação, estão Armazém e Braço do Norte. “Como não sabemos como está a situação da cidade, precisaremos nos adaptar. O ano letivo recomeça em fevereiro e temos que planejar”, argumenta o prefeito Jaime Wesing (PSDB), de Armazém.

A linha de pensamento é a mesma do vereador Ronaldo Fornazza (DEM), que assumirá a prefeitura de Braço do Norte enquanto não é realizada uma nova eleição. “A intenção é manter os serviços de saúde e educação, até mesmo porque as aulas começam em fevereiro, e é preciso organizar o calendário”, justifica.

A saúde terá ênfase em Capivari de Baixo. “Queremos que o prontoatendimento volte a funcionar 24 horas, além de melhorar os serviços dos postos de saúde”, pontua Luiz Carlos Brunel Alves (PMDB). Em Grão-Pará, Valdir Dacorégio (PMDB) também se preocupa com o tema. “Queremos comprar o prédio do pronto-socorro, porque o imóvel pode ser leiloado”, revela.
A saúde também está na lista do prefeito de Tubarão, Dr. Manoel Bertoncini (PSDB). “Quero encaminhar o prontoatendimento 24 horas logo no início. Outra questão é o canil, já temos algumas discussões e esperamos em breve apresentar uma boa proposta”, afirma.

A agricultura terá ênfase em Treze de Maio. “Uma das ações será aumentar o número de horas/máquina para que os produtores que não têm equipamentos possam trabalhar em suas propriedades”, afirma Arilton Francisconi Cândido, o Xela (PP). Em Santa Rosa de Lima, a intenção é agregar valor ao que é produzido no município. “O agricultor só tem a ganhar com isso”, afirma Celso Heidemann (PP). Em Rio Fortuna, o incentivo à produção também receberá atenção do prefeito Silvio Heidemann (PP).

Saneamento e turismo

Santa Catarina tem um dos piores índices de saneamento básico do Brasil. Na Amurel, alguns prefeitos prometem que este cenário será modificado em breve. “Fizemos a primeira etapa em parceria com a Casan. Mas temos que fazer mais, a cidade inteira tem que ser atendida pela coleta e tratamento do esgoto sanitário”, ressalta o prefeito reeleito de Gravatal, Rudinei Fernandes do Amaral, o Nei (PMDB).
Saneamento e turismo estão na lista do prefeito de Jaguaruna, Inimar Felisbino Duarte (PMDB). “Temos que cuidar dos acessos aos balneários, manter a coleta de lixo e planejar o Carnaval. Outra prioridade é o saneamento, que não temos”, diz.

O turismo e a infraestrutura são o foco do novo mandato de Célio Antônio (PT), de Laguna. “Começaremos com dois quilômetros de pavimentação na Estiva, Bananal e Caputera. Além da revitalização do Cine-Teatro Mussi, do Mercado Público e da praça Vidal Ramos. Estamos pensando a cidade para os próximos anos”, relata.
O planejamento do município é prioridade para José Roberto Martins, o Beto (PSDB), de Imbituba. “A região vive um momento privilegiado e temos que preparar a cidade para isso. A infraestrutura precisará contemplar as empresas e também os turistas”, define.

Na pauta: as obras

Para muitos dos prefeitos da Amurel, o início do mandato é o momento de arregaçar as mangas e iniciar obras. “Temos alguns convênios com o governo federal para pavimentação de ruas e vamos licitar as obras que forem possíveis este mês”, revela o prefeito reeleito de Sangão, Antônio Mauro Eduardo (PP).
A pavimentação de ruas é prioridade para Amarildo de Souza, de Imaruí (DEM). “Tivemos problemas com as chuvas e vamos recuperar o que estragou”, adianta. Em Pedras Grandes, as estradas do interior também receberão atenção.

“Precisamos melhorar as vias, porque o agricultor necessita delas para levar os seus produtos”, propõe Antonio Felippe Sobrinho, o Tonho (PMDB).
Uma ponte está no ‘caderninho’ da prefeita eleita de São Martinho, Leonete Back Loffi (DEM). “Vamos buscar parcerias para uma ponte sobre o rio Capivari, que fica próximo ao centro da cidade”, relata.
Em São Ludgero, o prefeito reeleito, Ademir Gesing, o Gogo (PMDB), quer licitar a obra do Centro de Múltiplo Uso. “O estado repassou cerca de R$ 100 mil, perto da eleição e não podíamos licitar. Agora, vamos dar seguimento a este projeto”, diz. A obra está orçada em R$ 3,2 milhões (R$ 2,5 milhão do estado e o restante da prefeitura.