Algumas salas no local improvisado para realização das aulas não tem janelas, situação que se agrava nos dias mais quentes  -  Foto:Gabriel Felipe/RBS TV/Divulgação/Notisul
Algumas salas no local improvisado para realização das aulas não tem janelas, situação que se agrava nos dias mais quentes - Foto:Gabriel Felipe/RBS TV/Divulgação/Notisul

Laguna

Uma das mais antigas escolas de Laguna está há cerca de dois anos interditada para reformas que ainda não saíram do papel. Os alunos da Escola Estadual Básica Ana Gondin, que na época foram transferidos para locais provisórios, buscam agilidade para retornar a unidade escolar.

“A situação é cada dia mais difícil. Estudamos em algumas salas que não tem nem ventiladores e muito menos ar condicionado. Condições que se agravam com os dias mais quentes. Os ambientes são muito próximos uns dos outros e interferem com sons das aulas”, relata o estudante do primeiro ano do ensino médio, João Paulo Rodrigo Mendes, de 17 anos.

O acadêmico e outros colegas realizaram ontem uma manifestação com cartazes para chamar a atenção das autoridades em busca de melhorias nas condições de ensino. Atualmente são 650 alunos, divididos em três turnos, no Salão Paroquial da Igreja Santo Antônio dos Anjos.

“Estamos fazendo um novo edital para reforma nesta escola, conforme as exigências do executivo estadual, que já tem recursos confirmados para execução desta obra. O edital anterior foi invalidado. Agora falta somente acertamos a parte documental, fazermos as modificações no projeto, encaminhar novamente para o governo e aguardar o lançamento”, informa o secretário de desenvolvimento regional em Laguna, Mauro Vargas Candemil.

A obra poderá custar aproximadamente R$ 7,5 milhões aos cofres públicos. Valor que não será empregado em uma reforma, mas em uma nova estrutura. “Será construído dentro de um projeto alternativo. Estrutura nova, nova escola. Toda edificação atual será destruída. Trabalho que ainda não há data para ser iniciado”, revela Mauro.

Outros casos
Em Jaguaruna 245 alunos da comunidade de Campo Bom aguardam há quatro anos o retorno à Escola Estadual Básica Campos Verdes. Neste período eles estão em uma unidade escolar adaptada em um supermercado, improvisado para atender provisoriamente, como sala de aula. Representantes da Secretaria de Desenvolvimento Regional (SDR), em Tubarão informaram que o cronograma para finalização das obras em fevereiro está em dia e que as mobílias já foram adquiridas pela secretaria de educação do estado. A nova unidade terá capacidade para atender 600 alunos.