Amanda Menger
Jaguaruna

O impasse sobre a licitação da segunda etapa do Aeroporto Regional Sul, em Jaguaruna, continua. Até ontem, a secretaria estadual de infra-estrutura não havia definido a data de abertura da proposta financeira da Construtora Espaço Aberto, única habilitada para participar da concorrência. Além disso, a Engeton Construção Ltda, de Turvo, também não acionou a justiça.
O diretor de assuntos aeroviários da secretaria, Dilney Chaves Cabral Filho, revelou que a empresa pediu uma reconsideração à comissão de licitações.

“Eles (a empresa) não apresentou toda a documentação. Eles erraram, nós não. Não apresentaram todos os dados. Fizeram um recurso que foi negado e agora pediram uma reconsideração e entregaram novos documentos. A comissão está analisando”, adianta Dilney. Segundo ele, não há prazo para que a comissão termine este reexame de documentos. “Estamos fazendo de tudo para que corra o mais rápido possível e possamos definir o vencedor da licitação e iniciar a obra”, afirma. Além da reconsideração, a obra necessita de pareceres do Corpo de Bombeiros e do Tribunal de Contas do Estado (TCE).

A Engeton foi inabilitada pela comissão de licitações da secretaria devido a um item do edital que trata da madeira utilizada para fazer as formas de concreto. Segundo o diretor da empresa, Luiz Tomasi, este item é irrelevante e a Engeton já fez mais de mil metros cúbicos de concreto em uma mesma obra.

Para o presidente da Associação Empresarial de Tubarão (Acit), Eduardo Nunes, é preciso aguardar os pareceres. “Esperamos que nada atrapalhe o andamento do processo de conclusão do Aeroporto Regional Sul Humberto Ghizzo Bortoluzzi, extremamente importante para o desenvolvimento da região”, pondera Eduardo.

Esta segunda etapa da obra do aeroporto está orçada em R$ 6 milhões e compreende a construção do terminal de passageiros e núcleo de proteção ao vôo, subestação, abastecimento de água e tratamento de esgoto. O terminal de cargas não faz parte desta fase.