Zahyra Mattar
Jaguaruna

O secretário estadual de infraestrutura, Mauro Mariani, fez uma visita “surpresa”, ontem, em Jaguaruna. Um dos objetivos era vistoriar as obras da segunda etapa do Aeroporto Regional Sul. O outro participar da abertura da Festa da Tainha, às 20 horas. Como todo bom cicerone, o prefeito Inimar Felisbino (PMDB) acompanhou o secretário. Nenhum deles escondeu a satisfação de ver de perto o “adiantar da obra”.
“Está melhor do que esperava. A empreiteira (a Espaço Aberto) já tinha sinalizado que queria agilidade. Mas, sinceramente, não imaginei que chegaria aqui e veria tudo tão adiantado. A obra está mais que dentro do cronograma”, informa Mariani.

Ele também trouxe novidades quanto o acesso ao empreendimento pela BR-101.
Esta parte da obra será feita com recursos do governo federal, através de uma emenda parlamentar pessoal da senadora Ideli Salvatti (PT), no valor de R$ 15,842 milhões, mas o edital de licitação e fiscalização da obra será de responsabilidade do estado. “O levantamento ambiental está em fase final. Com isso, a licença (ambiental) deverá sair em um mês”, anuncia.

Paralelamente, a secretaria estadual de infraestrutura e uma equipe do Departamento Nacional de Infraestrutura em Transportes (Dnit) tratam da aprovação técnica do projeto da nova rodovia. “Em um mês, também devemos ter a liberação do projeto e, enfim, lançaremos o edital para esta obra. Este ano, ainda iremos, com certeza, entregar a ordem de serviço”, detalha.

Para o prefeito de Jaguaruna, não poderia haver notícia melhor. “O Aeroporto Regional, como o próprio nome remete, é da região sul catarinense, mas obviamente Jaguaruna será privilegiada. A prefeitura tem uma faixa de terras no acesso interno ao empreendimento e já começamos o levantamento para disponibilizar a empresas interessadas em investir”, adianta Inimar.

A segunda etapa
O investimento do estado na segunda fase da obra é de R$ 6 milhões e compreenderá a construção do terminal de passageiros (1.913,40 metros quadrados de área), redes elétrica e hidrossanitária, climatização, subestação de energia com capacidade para 300 KVA, estação de tratamento de esgoto e de água, estrutura contra incêndio (unidade do Corpo de Bombeiros), telecomunicação de telefonia e cabeamento estruturado, proteção contra descargas atmosféricas, paisagismo e torre de controle de tráfego aéreo.