O projeto da segunda etapa do Aeroporto Regional Sul foi apresentado no ano passado, em encontro na Associação Empresarial de Tubarão (Acit).
O projeto da segunda etapa do Aeroporto Regional Sul foi apresentado no ano passado, em encontro na Associação Empresarial de Tubarão (Acit).

Amanda Menger
Tubarão

Amanhã, dia 26, faz exatamente um mês que o governador Luiz Henrique da Silveira (PMDB) esteve em Tubarão para assinar o lançamento do edital de licitação das obras da segunda etapa do Aeroporto Regional Sul Humberto Ghizzo Bortoluzzi, em Jaguaruna. Contudo, até o momento, o edital não foi publicado. Além disso, o terminal de cargas não está contemplado no edital.

“Isso nos pegou de surpresa. As informações divulgadas pelo próprio governo era de que seriam construídos agora os terminais de passageiros e de carga, além do núcleo de proteção ao vôo e a estação de tratamento de água, mas descobrimos que o terminal de cargas não consta no edital”, revela o presidente da Associação Empresarial (Acit) e secretário executivo do Conselho Político Empresarial, Eduardo Silvério Nunes.

A intenção do conselho é realizar uma audiência com o governador e com o secretário estadual de infra-estrutura, Romualdo França. A idéia tem o apoio do secretário de desenvolvimento regional em Tubarão, César Damiani. “A reunião ainda não está agendada. A intenção é sensibilizar o governo e acrescentar o terminal de cargas na licitação”, adianta Damiani.

A segunda etapa está orçada em R$ 6 milhões. Na primeira etapa, concluída em 2006, foram investidos pelo governo estadual R$ 11 milhões. No ano passado, o então secretário regional, Ademir Matos, apresentou o projeto, junto com o diretor de assuntos aeroviários da secretaria estadual de infra-estrutura, Dilney Chaves Cabral Filho, e contemplava o terminal de cargas. “O projeto realmente já está pronto, só não foi incluído nesta etapa”, diz Damiani.

O secretário propõe ainda a realização de um estudo sobre a expectativa de movimentação de cargas no aeroporto. “Quero realizar uma outra reunião com a associação empresarial para viabilizar este estudo. Isso dará mais argumentos para defendermos a construção do terminal”, justifica.

A pista do aeroporto tem 2,5 mil metros de extensão e é considerada a maior entre São Paulo e a Argentina.