Na foto, à esquerda a água do Rio Tubarão ‘bruta’ e à direita após o tratamento.
Na foto, à esquerda a água do Rio Tubarão ‘bruta’ e à direita após o tratamento.

Karen Novochadlo
Tubarão

Às 5h30min de ontem, o abastecimento de água em Tubarão e Capivari de Baixo foi cortado. O motivo: a água do Rio Tubarão estava tão suja que foi preciso interromper o tratamento para regular a quantidade de produtos químicos lançados.

As chuvas em Braço do Norte, Orleans, Grão-Pará e Rio Fortuna carregaram muita sujeira e lama para dentro do rio. Em caso de novas enxurradas, é possível que o problema volte a ocorrer. 
O Águas de Tubarão trata três milhões de litros por dia. O problema é que a cidade tem reserva de abastecimento para apenas três horas. E, justamente por isso, todos os bairros de Tubarão foram afetados com a falta do líquido.

Apenas o abastecimento do Centro ficou normalizado, porque é onde ficam os dois hospitais e a clínica de hemodiálise. Os parâmetros de cor (UC) e turbidez (UT – quantidade de resíduos sólidos) da água captada chegaram a índices inéditos de 23 mil UC e quatro mil UT, enquanto o normal seria 500 UC e 800 UT.
Para se ter uma ideia, para ser consumida, a cor da água deve estar em uma escala de 0 a 15 UC, enquanto o outro critério no máximo 5 UT. A última vez que o rio atingiu condições que dificultaram o tratamento desta forma foi em 2007.
O tratamento foi retomado ontem mesmo, somente às 9h30min. O abastecimento, contudo, começou a ser normalizado à tarde, depois das 15 horas. 

Serviço
Os consumidores que tiverem problema com a coloração da água devem ligar para o Águas de Tubarão, orienta a química responsável pelo tratamento, Vanessa Villela. O técnico fará o descarte do líquido sem ônus para o cidadão. O telefone é o 3632-9596.

Falta de água e sujeira na tubulação

Com exceção do Centro, todos os bairros de Tubarão foram afetados com o problema de abastecimento ontem. Ainda que tudo tenha sido restabelecido até o meio da tarde, muitas regiões ficaram com as ‘torneiras vazias’ até o fim do dia.

Foi o caso de Congonhas, São Cristóvão, São Martinho e Andrino. Em Oficinas e Santo Antônio de Pádua, a água chegou com coloração preta. Como as tubulações ficaram vazias, a pressão da água arrastou também a sujeira contida nos canos.
O carpinteiro Anderson Hilário, 32 anos, foi um dos atingidos pela água preta em Oficinas. “Na hora do almoço, minha esposa foi lavar a louça e a água estava preta. Só começou a clarear perto das 13 horas”, explica.

Já o aposentado João Paulo Silvestre, 71, só não foi mais prejudicado por causa da caixa d’água. “Não consegui lavar as roupas ou molhar as plantas. Os bichos tratei com água da caixa”, conta. Onde mora, em Congonhas, a água só voltou por volta das 16 horas.

Licitação prevê melhorias no sistema

Desde que o consórcio Águas de Tubarão assumiu o sistema, em junho de 2005, problemas de abastecimento ocorreram apenas quatro vezes. Para evitar que voltem a ser registrados, é necessário aumentar o tamanho do reservatório do município e, também, encontrar um novo ponto de captação.
Hoje há apenas um. Essa questão, entre outras melhorias, integra o edital de licitação para a concessão, por 30 anos, do sistema à iniciativa privada. A habilitação das interessadas ocorre ainda neste mês.