A confirmação de que se tratavam de larvas do Aedes aegypti foi feita após a análise do material, pelo laboratório da 20ª gerência de saúde em Tubarão. Foto: Gilmar F. Estevan/Banco de Imagens/Notisul
A confirmação de que se tratavam de larvas do Aedes aegypti foi feita após a análise do material, pelo laboratório da 20ª gerência de saúde em Tubarão. Foto: Gilmar F. Estevan/Banco de Imagens/Notisul

Zahyra Mattar
Tubarão

Em busca de um sanguinho catarinense, o danado do mosquito Aedes aegypti, transmissor da dengue, fez mais uma investida para se instalar na região. Desta vez o voador tentou procriar-se no bairro Humaitá de Cima, em Tubarão. Como sempre, o trabalho preciso das coordenadorias dos programas de combate e prevenção à dengue do estado e do município frustraram o maligno.

Ao todo, 19 larvas do mosquito foram confirmadas em um único ponto. Os “futuros voadores” estavam dentro de uma armadilha, instalada justamente para este fim, em uma empresa às margens da BR-101. A confirmação veio na quarta-feira e rapidamente os agentes percorreram um raio de 300 metros a partir do ponto do foco.

No total, foram revistados 176 imóveis, entre casas e estabelecimentos comerciais. Este trabalho é essencial para garantir que toda a área fique livre do Aedes. E está. “Mesmo assim, não podemos descuidar. Contamos, mais do que nunca, com o apoio da população para nos ajudar nesta luta”, reforça o coordenador do programa municipal de combate à dengue, Hélio de Oliveira Júnior.

Com mais este caso, o segundo em menos de 15 dias, a região agora contabiliza cinco focos do mosquito. Os dois primeiros foram localizados também em armadilhas, dispostas em estabelecimentos comerciais às margens da BR-101, em Jaguaruna. Ambos os casos anteriores foram registrados na véspera do Carnaval, no mês passado.
Os outros dois foram confirmados em Capivari de Baixo, no dia 15 deste mês. As larvas também estavam em uma armadilha, colocada em um estabelecimento comercial no bairro Três de Maio. Estas três áreas onde os cinco focos foram identificados, serão monitoradas a cada dois meses durante um ano.

Cidade é mapeada

Além de reforçar as medidas preventivas junto da população a todo o instante, os agentes do programa de combate à dengue da prefeitura de Tubarão também estão em uma outra missão. Ele começaram a realizar o reconhecimento geográfico de cada bairro.

No momento, a equipe está dividida entre as comunidades de São Martinho, Vila Moema e Dehon. O trabalho consiste em contar quantas residências, estabelecimentos comerciais e terrenos baldios existe em cada bairro da cidade.
“Isto facilita quando há o registro de focos da dengue, como nesta semana. Desta forma sabemos quantos imóveis precisam ser revistados, o que torna o trabalho mais rápido e eficiente”, valoriza o coordenador do programa municipal de combate à dengue, Hélio de Oliveira Júnior.

Atualmente, Tubarão conta com uma rede de 245 armadilhas e 87 pontos estratégicos. São recipientes com água limpa e parada, dispostos em locais apropriados justamente para frustrar a proliferação do mosquito.
A meta é chegar ao fim deste ano com pelo menos 333 armadilhas. “Isto garantirá uma cobertura muito melhor da cidade. Aqui, no que depender do nós, o Aedes aegypti não se instala”, decreta Hélio.

Atenção, povo!

Caso ocorra de algum morador das proximidades do foco de dengue, identificado no bairro Humaitá de Cima, em Tubarão, ter sintomas parecidos com o da gripe comum, deve alertar o médico do ESF sobre as larvas do mosquito localizadas na comunidade. “Entramos em contato com o coordenador da equipe médica dos ESFs, Roger Augusto Vieira e Silva, para que ele avise os profissionais da unidade do bairro. Como os sintomas da gripe são muito parecidos com o da dengue, é bom estar alerta”, destaca o coordenador do programa municipal de combate à dengue, Hélio de Oliveira Júnior.

Xô dengue l faça a sua parte, cidadão!

• Retire os pratos dos vasos de flores que ficam fora da residência;
• Garrafas devem ser guardadas com o gargalo virado para baixo;
• Feche as caixas d’água, tonéis, barris e latões;
• Mantenha calhas, canos e ralos desentupidos;
• Os pratos das flores que ficam dentro de casa devem ser escovados a cada três dias;
• Troque diariamente a água do bebedouro de animais. Os recipientes devem ser escovados a cada três dias;
• Coloque algumas gotas de água sanitária nos locais de acúmulo de água das bromélias;
• Piscinas devem ser tratadas corretamente;
• O lixo deve ser destinado ao local correto.