Rafael Andrade
Criciúma

A justiça e o estado começam a dar uma resposta à família de Maycon Luiz Vieira da Silva, 27 anos. O jovem foi assassinado por um adolescente de 17 anos, no bairro Progresso, em Laguna, há 18 dias. O acusado chegou a ser apreendido no dia do crime, mas foi liberado menos de 24 horas, por falta de vagas no sistema prisional infanto-juvenil do estado.

Por este motivo, a justiça expediu um mandado de busca e apreensão contra ele e deu um prazo de dez dias para o poder executivo catarinense conseguir uma vaga ao adolescente. Surgiu um lugar disponível na comarca no Centro de Internamento Provisório (CIP) de Caçador.

A ‘caça’ ao réu confesso que matou Maycon começou há pouco mais de uma semana. Ele fugiu de Laguna e foi parar em Criciúma, onde foi apreendido ontem à tarde, por volta das 16h55min, na rua General Osvaldo Pinto da Veiga, no bairro Próspera. “Ele estava sozinho e vagava pela rua”, relata um PM que participou da operação de cumprimento do mandado.

O jovem aparentava estar drogado sob o efeito de crack. Ele foi levado à Delegacia da Criança, do Adolescente e de Proteção à Mulher e ao Idoso de Criciúma, onde foi protocolada a sua apreensão. Em seguida, foi encaminhado ao CIP de Criciúma, de onde será transferido nos próximos dias para Caçador.

Foi o sexto homicídio registrado este ano em Laguna. O sistema carcerário continua superlotado em Santa Catarina e o estado tenta minimizar o problema com reformas e construções de presídios e ampliação de Centros de Internação para menores infratores.