A presidenta da Atidev, Maria de Lourdes Borba Izidoro, acredita que o passe livre é uma vitória.
A presidenta da Atidev, Maria de Lourdes Borba Izidoro, acredita que o passe livre é uma vitória.

Karen Novochadlo
Tubarão

Falta só a assinatura do prefeito Manoel Bertoncini (PSDB) para que os deficientes físicos e mentais de Tubarão com baixo poder aquisitivo tenham passe livre no transporte urbano. O projeto de lei foi aprovado quinta-feira à noite, na câmara de vereadores, e é um avanço no que se refere à inclusão social.
“Até o momento, só os deficientes mentais têm direito ao passe gratuito no município, como previsto na lei de 2002. Era uma reivindicação da Associação Tubaronense para a Integração do Deficiente Visual (Atidev)”, explica a vereadora Albertina Carvalho (PSDB), a Beth Xuxa.

A presidenta da Atidev, Maria de Lourdes Borba Izidoro, 43 anos, conta que na metade do ano passado a associação encaminhou o pedido ao secretário de saúde da prefeitura, Roger Augusto Vieira e Silva. Em seguida, a solicitação foi levada ao Conselho Municipal dos Direitos da Pessoa Portadora de Deficiência.
“Esta lei é importante para nós, porque ajuda na inserção do deficiente na sociedade. Nós temos direito a locomoção gratuita estadual e federal. Falta a municipal”, esclarece a presidenta, que também será contemplada com a nova regra.

A Atidev tem a participação de aproximadamente 50 pessoas. Pelos menos delas 20 dependem de ônibus para ir até a associação, onde aprendem a se locomover e ler em braille. Os acompanhantes também estão enquadrados no projeto.
Para receber o benefício, será preciso comprovar a deficiência através de um atestado emitido pelo Sistema Único de Saúde (SUS). E também demonstrar, na secretária de assistência social da prefeitura, que não possui condições de arcar com o valor das passagens de ônibus.