Amanda Mneger
Laguna

Notisul – Qual a sua avaliação em relação à coligação que o senhor é o cabeça-de-chapa?
Candemil
– Nós estamos elaborando um plano, fruto de um processo participativo e contributivo dos mais diferentes segmentos da sociedade de Laguna. Os partidos políticos que compõem a coligação “Todos por Laguna” – PMDB, PR, PV, PSDB, PSC, PPS – representam com suas lideranças uma parcela significativa e representativa de um projeto direcionado a grandes mudanças na gestão do município.

Notisul – Quais projetos estão englobados em seu programa de governo?
Candemil
– Nossos projetos estão alicerçados, primeiramente, nas necessidades sociais que serão alcançadas em ações em saúde, educação, oportunidade de trabalho, turismo, estradas do interior, sem se limitar, evidenciando um conjunto de prioridades, uma visão de futuro como respostas aos desafios.

Notisul – Em sua visão, qual a maior necessidade de Laguna?
Candemil
– Não podemos pensar em qualidade de vida para o turista sem dar atenção, em mesma proporção, aos cidadãos que vivem no município o ano todo. As ações de infra-estrutura, saúde, educação, melhorias nas estradas, segurança, saneamento básico, ações sociais junto aos pescadores, empresas que visem minimizar as necessidades serão objeto primordial do nosso governo. A cidade está estagnada, é preciso um choque de gestão. Governo avançado, inovador, transparente, democrático e descentralizador. O vice-prefeito (Aderbal Zapelini – PSDB), por ser empresário, terá papel fundamental em nossa gestão compartilhada. Baseamos nossas estratégias em três sentidos: compromisso com as necessidades de nossa gente; mente inovadora; e valorização dos talentos humanos, seja dos funcionários da prefeitura ou daqueles que irão compor a equipe de governo. Queremos também estimular parcerias com os governos federal e estadual, além de universidades, ONGs e comunidades afim de formar uma rede de cooperação.

Notisul – Como o senhor avalia os investimentos feitos pelos governos federal e estadual na cidade?
Candemil
– Do governo federal, eu não tenho muito conhecimento do quanto foi investido em Laguna. Comenta-se, e isto tem sido muito divulgado, que o governo federal na obra mais relevante em Laguna, que é a abertura da barra, investiu R$ 39 milhões. Estamos perplexos com este valor, porque a obra vem se arrastando há anos, há uma crítica com relação à forma como é feita. Mas, tem que ser avaliado também qual será o resultado final, quando estiver concluído. Ao conversar com pescadores do interior do município, muitos estão desacreditados, acham que da maneira como está sendo feito pode não trazer os resultados esperados. Do governo do estado, fui secretário de desenvolvimento regional e temos registrado as ações do governo Luiz Henrique da Silveira (PMDB). Foram investidos R$ 30 milhões.

Notisul – A pesca e o turismo estão entre as principais fontes econômicas de Laguna. Como desenvolver estas áreas? Se eleito, pretende investir também no turismo ecológico, muito tímido ainda no município?
Candemil
– Para ambas as situações, teremos que tomar medidas cirúrgicas. Laguna tem vocação para a pesca. Temos que excluir nossas debilidades e valorizar as nossas diversidades territoriais, étnicas e culturais que caracterizam nossas tradições que tornam Laguna uma jóia rara. É preciso valorizar nossas lagoas, excluir gargalos na infra-estrutura, estimular os esportes náuticos, manter a pequena localidade do interior, que sobrevive ao tempo e guarda a história. O turismo e a pesca contribuirão para esta sustentabilidade no desenvolvimento de atividades musicais, artesanais, folclóricas e gastronômicas. Criar pólos turísticos no interior e aí vem o turismo ecológico. E valorizar assim o pescador e o turismo.

Notisul – Os investimentos no porto de Laguna já foram anunciados pelos governos estadual e federal. Qual a expectativa de futuro?
Candemil
– Segundo consta, foram investidos R$ 39 milhões e esperamos que os resultados tragam benefícios à sociedade lagunense. Contribuí, e muito, para a entrada e saída de águas do complexo lagunar, o que deve oxigenar a lagoa.

Notisul – Como o senhor observa essa polêmica em relação ao espetáculo teatral que conta a vida de Anita? A administração atual deixou de realizá-lo durante dois anos… Se for eleito, continuará a investir no espetáculo?
Candemil
– Tudo o que é de bom, que vem sendo feito no atual governo ou que foi feito no anterior, vamos manter. Já por duas gestões, este espetáculo vem despertando a atenção estadual e nacional para a cidade. Vamos perseguir outros eventos deste porte. Precisamos fazer ainda mais pelo Carnaval, pela festa de Santo Antônio, pelas festas juninas e julinas, grandes no interior e precisamos estimular. O motocross também precisa de estímulo. Temos um campeão mundial, Marronzinho, e é um absurdo não termos uma pista de motocross que possamos fazer torneios nacionais e internacional. O Moto Laguna também pode ser maior, trazer a participação de países do Mercosul. Enfim, há outros eventos que podem ser tão grandes quanto este teatro ao ar livre.

Notisul – Como o senhor avalia o contrato com a Casan para a realização do esgoto sanitário na cidade? As obras são feitas? Existe possibilidade de municipalizar a água caso a Casan não cumpra o contrato?
Candemil
– O interesse da sociedade em primeiro lugar. O respeito ao cidadão para assuntos desta natureza: água e saneamento básico devem ser tratados com seriedade. A Casan faz isso muito bem e seremos parceiros em todos os níveis de entendimento e levando para todo o município o abastecimento de água com a qualidade necessária. O que tem sido feito tem o apoio dos agentes políticos e das comunidades, vamos continuar apoiando e fazer muito mais.

Notisul – Pode-se fazer uma avaliação positiva da atual gestão?
Candemil
– Sou candidato porque entendo que muito pode ser feito. Temos uma experiência administrativa na iniciativa privada e parcialmente na gestão pública queremos acreditar que nós poderemos fazer ainda mais.

Notisul – Com base no atual governo do Célio Antônio. O que o senhor manteria, e o que faria diferente?
Candemil
– Manteria os projetos que são bons. É absurdo que novos governos, por rancores, deixem de aproveitar aquilo que é de bom, e às vezes fazem outras ações que levam ainda mais tempo para executar e não têm bons resultados. Vamos selecionar boas ações e projetos e continuar a apoiá-las. Em algumas questões, será diferente. Na saúde, por exemplo: buscaríamos eliminar os suplícios das filas de espera nas unidades de saúde e hospitalar. Não podemos ignorar que o povo não recebe os atendimento que merece. É preciso investir maciçamente em prevenção. No emprego, também faremos diferentes. Não vamos prometer coisas mirabolantes. Vamos fortalecer ainda mais nossa parceria com o governo do estado para implantar um choque de gestão. O desenvolvimento sustentável pressupõe um esforço enorme da sociedade em torno da geração de empregos. O turismo é o pilar que precisamos para gerar estes empregos, além de buscar a instalação de empresas e indústrias.

Notisul – Laguna é conhecida também pelo Carnaval. A festa é considerada uma das melhores do país. Uma referência. Mas, nos últimos anos, o índice de violência aumentou. Como pretende amenizar a situação?
Candemil
– Eu discordo, não condiz com a realidade. Tivemos várias reuniões com membros da segurança pública e registrou-se neste ano um dos menores índices de roubos no Carnaval de Laguna. Quer dizer, a segurança pública na realização dos grandes eventos vem sendo atendida. Nada a lamentar. Mas, como prefeito, estarei atento e serei parceiro da polícia para que possamos proporcionar aos turistas e aos cidadãos segurança.

Notisul – Se eleito, pretende interferir na “briga” pelo título de Terra de Anita? Lages contesta. Diz que a heroína nasceu lá. Qual a sua opinião sobre isso?
Candemil
– Anita nasceu em Laguna.

Notisul – Se o senhor não for eleito, que rumos seguirá profissionalmente? Continuará na política?
Candemil
– Hoje, este é um assunto que não me passa na cabeça. Sou candidato e estou levando a nossa proposta para toda a sociedade lagunense e eu vou ser eleito.