Christiano Lopes (PSD), aos 34 anos, é secretário de desenvolvimento regional em Laguna. Assumiu o cargo em janeiro de 2011, após deixar a presidência da câmara de vereadores de Imbituba. Ele foi candidato duas vezes a vereador. A primeira vez foi em 2004, quando recebeu 1.004 votos, o que lhe deu o título de vereador mais novo da história imbitubense. Em 2008 se reelegeu, desta vez com 1.684 votos. Christiano está ligado à política desde pequeno. Ele é sobrinho da atual vice-prefeita, Lea Lopes (PSD), e de Jerônimo Lopes (PSD). O secretário regional é formado em direito pela Univale de Florianópolis e administração pela Uniaselvi. Christiano também é pós-graduado em administração.
 
 
Angelica Brunatto
Tubarão
 
Notisul – Por que o senhor decidiu colocar o seu nome à disposição como pré-candidato a prefeito de Imbituba?
Christiano Lopes – Porque entendo que eu estou preparado para enfrentar as eleições e administrar Imbituba. Apesar de novo (34 anos), tenho uma trajetória política já de alguns anos. Em 2004, fui candidato, pela primeira vez, a vereador, fiz 1.004 votos. Naquela época, fui o vereador mais jovem da história da cidade. Em 2008, voltei a me candidatar, fiz 1.684 votos e fui escolhido presidente da câmara. Permaneci por dois anos. Quando encerrou o meu mandato, em dezembro de 2010, o governador Raimundo Colombo me convidou para ser secretário de desenvolvimento regional em Laguna, a partir de 2011. Então, essas oportunidades me proporcionaram um ensinamento para poder administrar Imbituba, cidade que cada vez mais é destaque na região.
 
Notisul – Qual será o maior desafio, caso seja prefeito da cidade?
Christiano Lopes – Preparar Imbituba para o desenvolvimento sustentável. Nos próximos dez anos, a cidade vai sofrer um grande impacto de desenvolvimento. Precisamos preparar o município para se desenvolver da forma que a gente sempre sonhou, com geração de emprego e renda. Mas também não podemos perder o que sempre tivemos de bom: tranquilidade, ser uma cidade organizada e planejada.
 
Notisul – Qual o foco de seus projetos?
Christiano Lopes – Hoje, existem áreas em que a administração atual acertou e outras não. O turismo, por exemplo, apesar da vocação do município, é um setor que requer muito investimento. Imbituba não possui qualquer infraestrutura no turismo. Nossas praias não têm saneamento básico, nem banheiros públicos. Não há estrutura para atender à população e ao turista. Da mesma forma a educação. Somado ao projeto do governo do estado em implementar o ensino integral em escolas de nível médio, pretendo aplicar este ensino desde as primeiras séries. Junto a isso, pretendo acrescentar ao currículo normal, acesso a outros tipos de informação, como trânsito, saúde, meio ambiente e empreendedorismo. Quero trabalhar isso tudo com o potencial econômico de Imbituba, que passou a ser descoberto no resto do estado.
 
Notisul – Então o senhor pretende trabalhar com o turismo? Seria para um turismo sazonal ou para o ano inteiro?
Christiano Lopes – O sonho de todo mundo é ter o turismo no ano inteiro. A região sul é muito sazonal. Temos o turismo durante o verão, e durante o inverno. Não é só Imbituba, mas as principais cidades litorâneas sofrem com a evasão dos turistas após o verão. Mas, para nossa sorte temos também o turismo de visitação das baleias, que ocorre justamente no inverno, de maio a outubro. Imbituba tem condições, sim, além de ter forte visitação durante o período de verão, de fazer investimentos que façam com que a cidade atraia turistas durante todo o ano. Porque a gente tem atrativos, que são a baleia franca, a Praia do Rosa, que possui muitas pousadas de alto nível.  
 
Notisul – Além de trazer turistas, é preciso atrair empresários do ramo?
Christiano Lopes – Quanto a empresários do ramo a gente não pode reclamar. Imbituba, Garopaba e a própria Laguna têm pessoas que conhecem e trabalham o turismo. Acredito que o que está faltando é um pouco mais de atenção, um pouco mais de organização, de um calendário integrado, de um calendário durante o ano todo. São investimentos bem pontuais que vão fazer bastante diferença na cidade de Imbituba.
 
Notisul – Então não se deveria trabalhar Imbituba isolada…
Christiano Lopes – Todo lugar que desenvolveu o turismo trabalha em parceria com outras regiões. É o turismo integrado. Dificilmente, uma cidade consegue manter um turista por mais de uma semana com atrativos diferentes. A própria capital de Santa Catarina, Florianópolis, que possui 42 praias, dificilmente tem um turista que permanece lá por 15 ou 30 dias. Ele sai para visitar outros locais, como Balneário Camboriú, Laguna. Para a nossa felicidade, temos vários tipos de turismo, desde a cidade histórica de Laguna, as águas termais de Gravatal, às belezas de Garopaba e de Imbituba e as cachoeiras de Imaruí. Então, a gente pode fazer um turismo integrado e fazer com que o turista que venha para a nossa região fique na nossa região. Isso vai fazer com que a economia da região se desenvolva. 
 
Notisul – Muitas empresas procuram Imbituba para se instalar. Recentemente, a italiana Cimolai mostrou interesse em um terreno pertencente à Santos Brasil, às margens da BR-101, e há uma negociação. Como o senhor avalia a chegada desta multinacional, uma das maiores produtoras de aço do mundo?
Christiano Lopes – A italiana Cimolai é uma empresa que as lideranças políticas da nossa região buscaram. Não é segredo que Tubarão, em um primeiro momento, saiu na frente. Os políticos da cidade estiveram em uma excursão, em que conheceram a empresa e venderam o município. Mas a Cimolai tem a intenção de se instalar o quanto antes, muito rapidamente. Dentro do projeto de expansão da empresa, está o Brasil, está Santa Catarina. E Tubarão, infelizmente, teve alguns problemas, pendências formais que ocorreram com o terreno. Então, a Santos Brasil, que é uma forte investidora do Porto de Imbituba, tem interesse de fazer a região se desenvolver, para fazer com que outras empresas utilizem o terminal que pertence a ela e trazer mais movimentação para o seu cais. Então, para a nossa sorte, a Cimolai foi procurada pela Santos Brasil. O governo do estado neste momento, através do secretário de desenvolvimento econômico e sustentável Paulo Bornhausen e do governador Raimundo Colombo, colocou-se à disposição. Há uma intenção do governo de que essas empresas venham para a região sul, que é a região mais pobre de Santa Catarina.
 
Notisul – Quando o senhor divulgou que a Cimolai viria para Imbituba e a deu boas-vindas no Twitter, o prefeito Beto Martins (PSDB) e o partido o acusaram de propaganda antecipada. Como você avalia isso?
Christiano Lopes – Infelizmente, em ano eleitoral, há esse tipo de interpretação das informações, e também há esse tipo de vontade de às vezes querer usar determinada ação em benefício eleitoral. As pessoas que ficaram chateadas com isso devem entender que o governo do estado é um só. A partir do momento que o governador Raimundo Colombo tratou com a Cimolai, e esta, dentro da negativa do terreno de Tubarão, disse que iria para Imbituba. E, a partir do momento que a Santos Brasil chegou, em um acordo com a Cimolai, é evidente que governo do estado participa desta negociação. Quando o governador anunciou a vinda da Cimolai, pediu para que entrasse em contato com o representante da empresa para dar as boas-vindas. A partir do momento que foi tornado público, já que até então havia um desejo para que não fosse feito nenhum tipo de anúncio antecipado, foi dado o aval para que a gente também desse as boas-vindas. Então, não há nenhuma propaganda antecipada, o que há é que estamos em um ano eleitoral e todo mundo quer ser o portador das boas notícias.
 
Notisul – Imbituba vai crescer muito com a chegada destas empresas…
Christiano Lopes – O desenvolvimento de Imbituba será muito forte. Eu entendo que parecido com o que ocorreu em Palhoça. Imbituba é uma cidade que oferece todas as condições de desenvolvimento, possui um porto, é um município que está com a sua BR-101 bastante adiantada, é contemplada com o projeto de ferrovias a ser desenvolvido pelo governo federal. Mas, para este crescimento, temos que preparar a cidade. Precisamos estar prontos para receber estes investimentos. Por isso, eu digo que os próximos dez anos serão bastante importantes para a cidade. Este período determinará qual tipo de cidade vamos ter em um futuro próximo. Vamos ser uma cidade que se desenvolveu com qualidade de vida, com sustentabilidade, ou de qualquer modo, que vai trazer problemas para quem continuar a residir no município? Se não tiver um planejamento, vai ter os mesmo problemas que das grandes cidades.
 
Notisul – Então é necessário um crescimento sustentável.
Christiano Lopes – Precisamos trabalhar a cidade para ela se desenvolver de forma sustentável. Nós precisamos que a cidade tenha um loteamento, nós precisamos que a cidade se desenvolva com organização. Eu, enquanto presidente da câmara, desenvolvi um projeto chamado Coordenadas da Cidadania. Ele deu nome a todas as ruas da cidade. Podemos observar que a cidade, no seu início, há 50 anos, desenvolveu-se bem. Nossas ruas são planejadas e largas. Elas possuem canteiros centrais, mas atualmente é uma cidade que cresce de forma desorganizada, com as ruas sem qualquer planejamento, sem um padrão de largura. Existem locais em que não entra um caminhão de lixo, nem uma ambulância. Não é isso que a gente quer, esse tipo desenvolvimento vai ter um preço muito alto para a cidade. Precisamos ter ações fortes para poder termos um desenvolvimento econômico e renda, mas também não perder aquilo que temos de melhor: a nossa qualidade de vida. 
 
Notisul – Qual a sua avaliação do seu período à frente da SDR em Laguna?
Christiano Lopes – Acredito que fiz uma boa gestão. Acho que consegui realizar muitas ações.  Fizemos obras importantíssima para a nossa região, como a SC-100, que está a todo vapor, e a UTI do hospital de Laguna, e estes são trabalhos que eram muito aguardados.
 
Christiano por Christiano
Deus – Acredito muito.
Família – Meu grande alicerce.
Trabalho – Gosto bastante.
Passado – Só lembranças boas.
Presente – Alegria de poder trabalhar pela minha cidade e região.
Futuro – Prefeito de Imbituba. 

 
"Vai ser um pleito disputado, como sempre é em Imbituba. Depois de oito anos do prefeito Beto Martins (PSDB), a gente reconhece, houve avanços. Mas também houve aspectos que poderiam ter um investimento mais forte do poder público. Então, depois de oito anos do governo Beto Martins e Lea Lopes (PSD), Imbituba vai renovar, porque os candidatos não podem concorrer novamente. Eu acredito que vai ser uma eleição em que a população vai poder escolher o que quer para o futuro da cidade. 
O turismo é a chamada ‘indústria sem chaminé’. As grandes cidades da Europa que tiveram a sorte de desenvolver o seu turismo são as que hoje têm a melhor qualidade de vida, porque, diferente das indústrias normais, que trazem o desenvolvimento, mas também um impacto ambiental, a do turismo é uma indústria limpa que gera renda e emprego sem afetar muito o cotidiano do local. Assim como Palhoça se desenvolveu com a duplicação da BR-101, Imbituba é com certeza a bola da vez. É uma cidade que consegue ter o porto próximo a Florianópolis e está no ponto central entre Curitiba e Porto Alegre. Então, Imbituba tem todas as características necessárias para receber novas empresas. Nós temos todas as condições para nos desenvolver, e naturalmente as indústrias vão ver isto, e virão nos procurar nos próximos anos".
 
"Imbituba tem seus jovens, tem os seus formandos, que precisam entrar no mercado de trabalho. Eles querem entrar neste mercado na própria cidade". 
 
"Infelizmente, a Udesc foi para Laguna. Em Garobapa, será instalado o Instituto Federal de Educação. Imbituba não pode ficar fora dessa indústria do saber".