Natural de Guaíba, no Rio Grande do Sul, Caio César Tokarski (PSD), 36 anos, é casado e tem um filho. É formado em direito pela Universidade do Sul de Santa Catarina (Unisul). Foi secretário de administração da prefeitura de São José e assessor parlamentar. É vereador licenciado desde o último dia 4, quando assumiu a Secretaria de Desenvolvimento Regional em Tubarão. Ele se considera um sujeito teimoso, que briga pelo que acredita e está sempre disposto a colaborar e ajudar.

Jailson Vieira
Tubarão

Notisul – Agora, como secretário de desenvolvimento regional em Tubarão, quais as suas principais metas?
Tokarski – Temos que ter conhecimento do tamanho da estrutura, do funcionamento das secretarias com a nova dinâmica assumida neste momento pelo governador Raimundo Colombo (PSD) em relação às secretarias setoriais, as de desenvolvimento regional e as futuras agências de desenvolvimento. A partir daí, cria-se uma rotina de trabalho que nos permitirá fazer um planejamento e adotar ações. Sem conhecer, entender e poder identificar os problemas em relação às mais diversas situações, como a demora na execução de uma obra e a falta de um projeto, é impossível traçar metas. Então, primeiro temos que entender como funciona para depois criar uma expectativa de prioridades e de trabalho.

Notisul – Obras como a UPA 24 horas, a Arenamultiuso estão praticamente paradas. Até quando?
Tokarski –
A questão da UPA 24 horas é burocrática e jurídica, onde há um convênio que foi encerrada a participação do estado. Considera-se que, desta forma, era um contrato de tripartição entre estado, município e união por meio da Caixa Econômica Federal. E isso acabou por ter um erro de condução na época da contratação desse convênio, que agora impede que o estado deposite novos recursos. Santa Catarina cumpriu com a sua etapa e agora resta a prefeitura achar uma equação. Ela assume o resto da obra ou anula o contrato com a atual executora para que tanto o estado quanto a união possam depositar novos recursos. Já na Arenamultiuso, o estado cumpriu com 100% do convênio que havia assinado. Se a obra está parada e ainda não conclusa é uma pergunta a se fazer ao prefeito, que também tem as suas obrigações a serem executadas sobre este emprendimento.

Notisul – A construção de escolas como a Sagrado Coração de Jesus, em Tubarão, e a Pinto da Veiga, em Capivari de Baixo, e outras eram relatadas como prioridade do governo. Mas demoram a sair do papel. Por quê?
Tokarski –
Por uma série de fatores. A demora na elaboração dos projetos, alguns deles incompletos, outras vezes a falta de recursos e de prioridade política. O que nos cabe como secretário, como equipe de governo, é estarmos preparados para que, quando existirem recursos financeiros, os projetos estejam no estado. Dessa forma é que vamos trabalhar para identificar e fazer um grande diagnóstico de todas as escolas, não somente essas duas – a Sagrado Coração de Jesus já tem a ordem de serviço assinada – mas de outras tantas.  É importante que tenhamos esse diagnóstico, saibamos quais são as suas necessidades e estejamos com os projetos prontos para correr atrás.

Notisul – O fechamento da João 23 para a população foi lamentável. O que a SDR poderá fazer?
Tokarski –
Esse assunto, quando assumi a SDR, já estava vencido. Já havia uma determinação e um encaminhamento definido para a desativação daquela unidade escolar. A minha opinião como vereador na época era de uma condução transparente e programada em relação ao desfecho daquela escola. Mas infelizmente não foi isso que ocorreu.  Concordo e dou razão para aqueles que se sentem de certa forma desconfortáveis sobre essa situação. Porém não é a minha opinião que definirá esse assunto. Não há dois governos e sim apenas um, estou aqui para encaminhar e minimizar os prejuízos em conformidade a este fato. O que podemos fazer é continuar sempre na briga para que aquele estabelecimento, aquela área, continue a serviço da educação. Por mais que não seja o estado que esteja presente, mas o município de Tubarão, no qual já apresentou interesse para utilizar o espaço para um Centro de Educação Infantil.

Notisul – Você poderá ser candidato a prefeito no próximo ano? Quais os seus planos para o futuro?
Tokarski –
Na política tudo pode acontecer quando você se filia a um partido, você disputa do menor ao maior cargo. Porém não trabalho com isso, mas procuro buscar todos os dias a melhor condição, o preparo e conhecimento para que, quando os desafios surgirem, possa vencê-los um a um. Não vislumbro essa condição. Evidente que chegará o momento em que todos os partidos se prepararão e os nomes serão colocados para a análise. Se for a vontade das pessoas integrantes do partido e não somente a minha, estarei sempre à disposição. Contudo não é com esse foco que tenho trabalhado neste momento.

Notisul – Sobre a política no Brasil, como você avalia hoje a corrupção?
Tokarski –
Este é o pior quadro possível à falência do sistema político brasileiro que, em decorrência disso, leva ao descrédito de uma série de fatores.  É necessária uma reforma política que venha fortalecer novamente os entes partidários, diminuir esse monte de partidos que há em nosso país e que se possa criar uma conduta partidária de ideologias, de valores de referência. Não o que é hoje, os partidos tornaram-se um amontoado de pessoas, cada uma pensando de uma forma, um não caminhar junto para lugar nenhum. Então, isso tudo faz com que a população fique desacreditada daquilo que não se deveria desacreditar. Porque se há um caminho para mudar as coisas é pela classe política. Esperamos essa tão prometida mudança, principalmente a da reforma política, na qual é a mãe de todas as demais, e que ainda passará pela tributária, a previdenciária e a do trabalho. Tudo isso dependerá dessa primeira e esperamos e acreditamos que ela seja realizada o mais rápido possível.

Notisul – O sul do estado é menos favorecido em relação a outras regiões? 
Tokarski – Somos vítimas do nosso próprio atraso. Ficamos muito tempo esquecidos em decorrência de problemas estruturantes. Como o governador Colombo sempre fala, “o sul do estado ficou esquecido por terra, ar e mar”. Tínhamos dificuldade de acesso em relação ao gargalo da BR-101, isso vivemos até hoje. Entretanto está próximo de minimizar, mas não de terminar, porque a conclusão da duplicação não encerrará este problema. O aeroporto, no próximo dia 30, resolveremos este caso com os primeiros passos em relação à sua atividade. A questão portuária é aquela na qual muito tempo o porto de Imbituba ficou patinando e somente agora começa a deslanchar. Isso tudo é em função da nossa dificuldade econômica. E, a partir do momento que tivermos condições estruturais e estruturantes para poder avançar neste sentido econômico, o sul do estado voltará a ter aquele crescimento, confiabilidade e a força que algumas décadas já teve.  

Notisul – O secretário disse ao assumir a SDR que seria um parceiro dos prefeitos sem olhar os partidos. Qual a obra que o senhor quer executar o mais rápido possível ?
Tokarski – Essa é uma condição que o cargo exige. Não posso olhar para a questão partidária e sim pela institucional. Represento o governo e um governante não pode olhar partido e raiz política. Então, temos que atender todas as prefeituras de maneira igualitária e com muita isenção. E com relação a principal obra, nós temos que concluir aquelas que estão em andamento. A principal bandeira é que aqueles convênios que estão em execução eles possam se desenvolver de maneira rápida e que possamos concluir, e ao mesmo tempo se preparar para que novos recursos possam aportar aqui. Este é o nosso compromisso. Não irei eleger uma bandeira absoluta, porque neste momento ainda não tenho condições de enxergar e apontar uma prioridade.

Notisul – A região é carente de projetos culturais e esportivos. O senhor pretende implantar algo ?
Tokarki –
Isso é uma questão que está interligada nas ações do município. Tubarão se concluir a Arenamultiuso terá o maior aparelho ou maior instrumento do sul do estado para esse estabelecimento deste tipo de política. Terá uma arena para a prática desportiva, feiras e eventos com capacidade para cinco mil pessoas e um anfiteatro com auditório pra quase mil. Evidente que o governo do estado foi parceiro e será sempre parceiro de todas as atividades culturais, desportivas e turísticas, mas é necessário que essa propulsão venha dos municípios. Porém estaremos sempre nessa retaguarda para amparar e poder colaborar.

Caio por Caio
Deus –
Tudo
Família – A base
Trabalho – O que nos move
Passado – Referência
Presente – A luta do dia a dia
Futuro – O resultado de um bom trabalho

Visitarei os prefeitos e traçarei os planejamentos estratégicos frente à secretaria. Tudo isso com a equipe da SDR de Tubarão.