Olavio Falchetti, 60 anos, é natural de Tubarão e foi criado no bairro Revoredo. A união com a esposa Jane Falchetti resultou em cinco filhos: Rodrigo, Tiago, Isabela, Juliana e Arthur. Olavio é engenheiro civil, com especialização com engenharia de segurança. Empresário, dono de uma pedreira, desde 1977 é analista de projeto da Caixa Econômica Federal. Paralelo à engenharia, também se dedica a outra paixão: o futebol. Tanto que foi o primeiro presidente deliberativo do Tubarão Futebol Clube. O seu gosto pela política é recente e iniciou em 2008, quando se candidatou a prefeito de Tubarão pelo PT. Recebeu 12 mil votos. Agora, concorre a uma vaga na assembleia legislativa pelo mesmo partido. A motivação ocorreu, segundo ele, devido ao baixo conceito de boa parte dos políticos, dado à opinião pública. “Penso que eu tenho uma missão de resgatar a credibilidade da política catarinense e vai ser com meus atos e meus exemplos na assembleia”. Olavio ainda define política e politicagem. “Política é o ato de fazer o bem para coletividade e a politicagem é muito mesquinha, e deixa a coletividade a ver navios. A cadeira está vazia, se as pessoas de bem não sentarem lá, qualquer um pode sentar”, afirma.

Carolina Carradore
Tubarão

Notisul – Como candidato da região sul, qual a bandeira o senhor levantará na campanha?
Olavio
– Há um descaso muito forte do poder público na área social. Se começarmos a trabalhar esse setor na região sul e em Santa Catarina, vamos ver que vai diminuir o número de construção de presídios no estado. Quando observamos um foco de uma favela, o poder público tem que atuar para não deixar aquele foco crescer. Defendo a escola em período integral, principalmente em área de risco. Em um período, a criança atua no ensino regular e, no outro, ela se ocuparia de atividades extracurriculares, com música, dança, teatro. É um projeto que temos que levar a fundo, com muita dignidade. Educar custa um, reeducar custa dois e prender custa três. Também precisamos melhorar o salário dos professores e dar condições físicas nas salas de aula. E fazer com que a infraestrutura seja feita sem fins eleitoreiros, e sim com base com políticas públicas correta.

Notisul – Para você, qual o papel exato do deputado?
Olavio
– O papel fundamental é fiscalizar, legislar, ajudar o governo a fazer as devidas reformas, tudo que venha a fortalecer o governo. Sou contra o deputado levar verba a uma comunidade. Depende da relação que tem com o governo, leva mais dinheiro para uma região e abandona outra, vira politicagem. Isso não é função do deputado.

Notisul – Quais as áreas que precisam de mais atenção na região?
Olavio
– Todas as áreas. Qual o órgão mais importante do teu corpo? A cabeça, o cérebro? Mas, se tiver uma unha encravada no teu dedo, você vai dar mais importância no teu dedo. Então, é a mesma coisa com o estado, todas as áreas são importantes. Não temos como priorizar uma área, porque vamos fragilizar outra. Temos que fazer com que todas sejam beneficiadas.

Notisul – Como você avalia os deputados da região que nos representaram até então?
Olavio
– Olha, penso que precisamos de um maior número de deputados no sul. Quando um deputado não era a favor do governo, o governo trancava tudo. Temos que, dentro da assembleia, colocar na cabeça do governo que ali não existe mais siglas. Somos representantes do povo e, por isso, precisamos trabalhar em blocos. E, quanto maior número de deputado a região tiver, temos mais força para a comunidade.

Notisul – Então, o senhor é a favor ao voto regional?
Olavio
– O deputado é eleito para legislar, fiscalizar, para fazer Santa Catarina andar. Eu sou a favor que não haja compra de votos. Chega deputado de fora na região – e eu não posso afirmar que venha comprar voto -, mas podem usar artimanhas que não sejam corretas. Sou a favor de fazer uma campanha pela ausência de compra de votos, pois o voto não tem preço, tem consequência. Não venda seu voto, não negocie seu voto.

Notisul – Como o senhor formou sua base eleitoral?
Olavio
– A minha base eleitoral é na Amurel, com reflexo em diversas cidades. Visito as casas, as empresas, comércios, caminhadas. A gente tenta que o eleitor tenha confiança na gente. E o eleitor tem que se comprometer também. Aquele que acha que sou o melhor, ele tem que se comprometer, tem que se multiplicar. Cada um que lute pelo aquilo que acha que é o melhor e ajudar o deputado.

Notisul – Quanto o senhor pretende gastar na campanha?
Olavio
– O suficiente para dar visibilidade. A minha campanha é simples. Nós somos cidadãos de direito, então digo às pessoas: não venda seu voto. Os direitos do cidadão estão na constituição federal.