Carolina Carradore
Tubarão

Notisul – Como candidata da região sul, qual a bandeira que a senhora vai levantar na campanha para a região?
Ada
– Uma das minhas principais lutas é o término do Aeroporto Regional Sul Humberto Ghizzo, em Jaguaruna. Acho muito importante que se decida logo, pois, por vaidade pessoal, nós ainda não temos o empreendimento em funcionamento. Isso gera um grande um prejuízo à nossa população. O que eu puder fazer para que esse aeroporto saia eu vou fazer. A pavimentação da continuidade da estrada do Camacho, que foi uma luta minha, também vou ficar em cima. Outro pedido que acho importante é a UTI do hospital de Laguna. A criação do município de Pescaria Brava é outra luta incansável. Vou lutar para o sul crescer. Por exemplo, está faltando mão de obra no sul, então, uma das minhas metas é trazer a Tubarão uma escola profissionalizante.

Notisul – Para você, qual o papel exato do deputado?
Ada
– Olha, o meu papel, além de legisladora, é atender as reivindicações das comunidades, da sociedade, nada que venha a favorecer a uma só pessoa.

Notisul – Qual o seu envolvimento com a comunidade que representa?
Ada
– Tudo que se possa imaginar nas lutas do sul tem o meu dedo. Toda a minha história de vida é uma luta em função do sul. Tenho um marido que foi deputado por 16 anos, presidente da Telesc e hoje da Casan. Como advogada, inúmeras coisas eu prestei para aposentados da estrada de ferro de Tubarão. Sou uma política que tem história de lutas e o meu negócio é desenvolver o sul.

Notisul – 1Como a senhora avalia a atuação dos deputados que representaram a região até o momento?
Ada
– Quem sou eu para fazer avaliação de alguém. Acho que todos eles procuraram fazer o melhor que podiam. Cada um com a sua limitação, ninguém é perfeito, ninguém é milagroso. Tenho certeza que todos os meus companheiros tentaram de uma maneira ou de outra – uns mais agressivos, outros menos, às vezes dividindo, o que é muito ruim, às vezes somando, o que é muito bom – fazer a coisa certa. Acho que as urnas estão aí para os políticos serem avaliados.

Notisul – Como você está formando a sua base eleitoral?
Ada
– Eu não tenho estratégia, eu tenho trabalho. Eu respiro política, quando tu faz o que tu gosta, faz com prazer. Eu não preciso do dinheiro da política. Onde eu chego, não tenho quase cobrança, pois eu não engano ninguém. A minha base eleitoral é toda essa minha estrutura. Minha primeira campanha foi difícil, primeiro por ser mulher. Eu tenho uma luta, valorização dos princípios, da ética, da moral, do resgate do MDB, aquele MDB que todo mundo suou, chorou e sofreu por ele. Venho do sangue muito forte vermelho, isso assusta às vezes. A minha estratégia de política não estou montando agora, estou alicerçando ela há quatro anos. Fui eleita e já comecei fazendo estratégia de política para reeleição. Eu não tinha tenho prefeito comigo, hoje já tenho 11. Não tinha vereador comigo, hoje já tenho 42. Tudo isso por meio de um trabalho de confiança.

Notisul – Quanto você irá gastar na campanha?
Ada
– Por enquanto, não tenho nada planejado.

As entrevistas realizadas pelo Notisul com os candidatos com domicílio eleitoral na região serão em ordem alfabética.