Everaldo dos Santos, 47 anos, é de uma família de 12 irmãos. Nasceu no interior, no KM 37, hoje pertencente ao novo município de Pescaria Brava, onde foi criado. Começou a trabalhar já na infância. Dos 6 aos 12 anos, vendia cartuchos e doces em locais públicos. Depois, foi ajudar o seu pai na venda de frutas e verduras, em um Box do mercado público. Mais tarde, entrou para a vida publica, chegou a atuar na gerência da Casan, em Laguna, empresa pela qual permaneceu por muito tempo. Hoje está em seu quarto mandato como vereador. 

 

 
Mirna Graciela
Tubarão
 
 
Notisul – Por que o desejo de se tornar prefeito de Laguna?
Everaldo – Primeiro, porque estou preparado. Passei por quatro mandatos como vereador, me sinto pronto para administrar a cidade. Esse é o primeiro motivo, o principal. Segundo, porque Laguna, infelizmente, como presenciamos nos últimos anos, precisa resgatar a sua autoestima e, assim, também seus moradores. Existem pessoas que saíram do município, pois perderam a confiança com os administradores de hoje. Então, coloquei meu nome à disposição. Sei que tenho condições, reúno todas as qualidades para o cargo e, com certeza, muito posso fazer pela cidade e pela população.
 
Notisul – Do seu trabalho como vereador nestes quatro mandatos, o que pode ser destacado em termos de realização? 
Everaldo – Posso dizer que contribui bastante. Tanto é que as pessoas me chamam de político furão. Vou muito a Florianópolis e Brasília. Tenho amizades e contatos com senadores da república. Posso citar alguns deles, como Luiz Henrique, Paulo Bauer, Cassildo Maldaner. Já estive com o vice-presidente da república, Michel Temer, na capital federal, e também o visitei em São Paulo.  E também tenho bom relacionamento com o governo do estado. Eduardo Moreira, hoje vice, e o próprio governador Raimundo Colombo. Briguei muito, no bom sentido, para trazer algo de importante para Laguna. Se hoje a cidade tem algumas obras, são do governo do estado. Uma delas é a universidade, para mim a principal. Temos a Udesc, com dois cursos superiores, engenharia de pesca, e arquitetura e urbanismo. Foi uma luta nossa, com minha contribuição, trabalhei muito. Na época, Eduardo Moreira era o vice do Luiz Henrique da Silveira, quando iniciamos o processo, batalhamos e prontamente nosso pedido foi atendido. Depois, entrou Leonel Pavan, que deu continuidade. E hoje o atual governo tem acompanhado de perto. Vamos ampliar e implantar outros cursos, como hotelaria e turismo, administração, enfim, outras opções que temos que oferecer.
 
Notisul – O senhor recebeu um destaque como vereador. Qual foi?
Everaldo – Em virtude da votação expressiva nas últimas eleições, obtive 2.368 votos, aproximadamente 9% dos percentuais de votos válidos. Fui um dos vereadores mais votados do sul do Brasil e, se não me falha a memória, perdi para a ex-senadora Heloísa Helena.
 
Notisul – Como começou a trabalhar diretamente na vida pública?
Everaldo – Na verdade, sou de família humilde. Comecei aos 6 anos, vendendo torradinha, cartucho, cocada, no interior, nos campos de futebol. Então, até os meus 12 anos, foi assim. Depois, meu pai tinha um box de verdura no mercado público de Laguna e me levou para lá. Até 20 anos, trabalhei vendendo frutas e verduras no mercado. A partir daquele momento, conheci várias pessoas, comecei a ter contato com professores, médicos, advogados, famílias do comércio e políticos, fiz amizades. Prestei um concurso público e, em julho de 1985, fui chamado para trabalhar na Casan. Entrei como operador de estação de tratamento de água. Trabalhei quase um ano na ETA do Gi, na do Machado e um pouco mais de dez anos na estação de tratamento do bairro Cabeçuda. Após isso, no governo do Paulo Afonso, em função da minha confiança e o bom relacionamento e conhecimento da empresa, ele me convocou para ser o gerente da Casan de Laguna. 
 
Notisul – O que pode ser dito da atual administração?
Everaldo – Tem que haver um respeito melhor com a população que colocou os atuais administradores no poder e os reelegeu. O meu projeto é uma nova Laguna. É fazer tudo aquilo que não foi realizado, concretizado, nesses oito anos do prefeito Célio Antônio. O meu sonho é colocar em prática projetos importantes para o município. Gostaria que alguém me dissesse quais obras foram executadas nesses últimos anos. 
 
Notisul – Então, podes detalhar melhor, dar um exemplo do que faltou?
Everaldo – Tem muitas coisas importantes, no turismo, na habitação, saúde, educação. Mas vou falar sobre uma, que será minha prioridade. É a avenida Presidente Castelo Branco. É o cartão postal da cidade. Quando você chega e se depara com a avenida daquela natureza, qualquer turista ou visitante, com certeza, não fica para o outro dia. Ele paga sua estadia e vai para outro lugar. Temos outras na área de pavimentação. Digo pelo sentimento, porque sou de família humilde, do interior. O povo do distrito de Ribeirão Pequeno, que compreende Bananal, Figueira, Morro Grande, Parobé, Madre, aquela região, de aproximadamente 17 quilômetros, está em abandono total. Uma estrada de chão, em dias de sol com o pó. Em dias de chuva com a lama. Então, é outra prioridade que vamos olhar com muito carinho. 
 
Notisul – Além da parte de obras, que outras áreas merecem atenção?
Everaldo – Educação, porque partimos dela para trazer consequências positivas para uma cidade. Por exemplo, implantar uma escola técnica em parceria com a Udesc, para termos cursos profissionalizantes e as pessoas trabalharem no município. Hoje, nossa grande deficiência é a falta de mão-de-obra especializada. Temos que aproveitar essas pessoas. O jovem também, para ficar na própria cidade. E daí sim movimentar o comércio e a indústria para empresas de fora se instalarem no município. É necessário dar incentivos para haver um incremento. O poder público tem que ser o grande parceiro dos empreendedores. O empresário tem que ter a confiança no chefe do poder executivo. Eu vou abrir as portas e vamos ver o que pode ser feito, os benefícios que a administração pode oferecer. 
 
Notisul – Quanto à saúde do município, o que pode melhorar para a população?
Everaldo – Nós precisamos valorizar o quadro de funcionários, isso é muito importante, olhar com bons olhos a secretaria de saúde. Ampliar os postos, os programas de saúde da família, porque vejo poucos, são os mesmos de anos atrás. É necessário aumentar, colocar isso em prática, pois temos um repasse mensal do ministério da saúde, do governo federal, que deve ser aproveitado. Temos que fazer um governo transparente. Inclusive, trazer melhorias ao nosso hospital, que terá em breve a UTI, onde o governo do estado já investiu mais de R$ 3 milhões. Conversamos frequentemente com o doutor Dalmo de Oliveira, que é o secretário de estado da saúde, e tem nos atendido muito bem. Através dos repasses feitos para a construção, a parte física está praticamente concluída. Agora, faltam os equipamentos, onde os recursos para a compra já foram solicitados há três meses para o vice-governador Eduardo Moreira. E estão incluídos no orçamento para a liberação no próximo ano, cerca de R$ 1,3 milhão para a aquisição dos equipamentos.
 
Notisul – Qual é o seu adversário mais forte nestas eleições e o que tens falar a respeito dele?
Everaldo – É o provável, é quem está no poder. É a candidata do PT, partido do atual prefeito, Célio Antônio. Tanara Cidade. Ela reassumiu a câmara de vereadores, tinha se afastado para assumir a secretaria de saúde nestes oito anos da atual administração. O que posso dizer é que nada foi apresentado de novidade na secretaria de saúde, acho que não foi realizado aquilo que Laguna precisava.
 
Notisul – Laguna tem uma visibilidade nacional. O que pode ser feito para incrementar o turismo?
Everaldo – Não é conhecida somente nacionalmente, mas internacionalmente. É a cidade de Anita, a mulher de dois mundos. O município tem tudo, mas é necessário entrar uma nova equipe, fazer uma nova Laguna. Então, há muita coisa para realizar. Uma delas é a retomada da Tomada de Laguna, não em novembro, no fim do ano. Tem que ser realizada no aniversário da cidade, como era antes, no mês de julho, e começar neste período com as festividades religiosas. Precisamos resgatar o turismo de inverno, fazer isto o ano inteiro, não somente dois meses, mas 12 meses e esta será a bandeira que vamos levantar. Temos vários eventos para colocar no calendário de inverno, como a festa dos idosos, o Motocross, a festa do pescado, pois somos conhecidos também como a cidade de pesca, das melhores tainhas, anchovas e o camarão. Assim, vamos movimentar o município permanentemente. Não queremos mais ver o choro dos hoteleiros. No verão, por exemplo se eles têm 100 funcionários, no inverno ficam com cinco. Por que não resgatar o Rock Laguna, para também incrementar mais o verão? 
 
Notisul – Caso eleito, como pretende investir os R$ 26 milhões do ISS das obras da Ponte Anita Garibaldi?
Everaldo – Primeiro que esse valor não é para o ano de 2013. Este montante vai entrar durante o tempo de construção, que iniciou agora e as obras devem durar cerca de quatro anos. Então, você divide esses R$ 26 milhões pelos quatro anos. Automaticamente, teremos R$ 7 milhões ao ano. Tenha certeza de uma coisa: esse dinheiro será muito bem aplicado e com transparência. Melhorar a saúde, a educação. Vamos ampliar o número de creches, muitas mães hoje têm dificuldades porque querem trabalhar e não têm onde deixar seus filhos. E tantas outras áreas que estão carentes e que pretendemos dar o máximo de atenção em cada uma delas.
 
Notisul – Ao que o senhor atribui a sua popularidade?
Everaldo – Quero dizer que amizade não se compra, não se vende. Adquire-se. E comecei a conquistar isso desde minha adolescência. Por isso que as pessoas dizem que sou uma pessoa popular. É o meu jeito de ser. Estou frequentemente nos campos de futebol, na igreja, nas festividades, em um grupo de terceira idade, nas associações de moradores, sempre presente. Porque sei das dificuldades da nossa população, que sobrevive dos 60 dias do turismo e da pesca. Nós temos aproximadamente hoje dez mil famílias de pescadores. E vou apoiá-los em tudo o que for possível para que tenham melhores condições de trabalho e maior lucratividade. Vamos entrar também em outro desafio, que é o desassoreamento da Lagoa de Santo Antônio, porque acabaram com a pesca.
 
Everaldo por Everaldo 
Deus – É a nossa existência. 
Família – É tudo para mim. 
Trabalho – Política sempre, o tempo todo. É o que me realiza. 
Passado – Saudade de várias coisas, mas muito orgulho do que fiz.
Presente – É a oportunidade que tenho de fazer um futuro melhor.
Futuro – A Deus pertence.
 
“Ser um político é respeitar a população, atender os anseios da comunidade e saber dizer um não. Quando você pode fazer, fale sim, quando não puder, diga um não. O que não pode ocorrer é a pessoa ser enrolada, enganada. Eu gosto de trabalhar na política. Hoje faço isto 24 horas. É reunir os conselhos comunitários, associações de moradores, os grupos de mães, de idosos, as igrejas, respeitando todas as religiões, e estar sempre dando uma satisfação à população. Se eu tiver a felicidade de ser eleito, vou seguir o que sou hoje, com muita humildade, pés no chão, responsabilidade e honestidade, que aprendi com meus pais. Estou muito tranquilo e consciente. Não vou mudar a pessoa que sou. Continuarei assim, visitando os que moram no interior, de saber as prioridades das comunidades e atender as pessoas. O que não pode é o político se eleger e esquecer, abandonar o povo. E quando chegar a próxima eleição, lembrar de todos. As pessoas dizem para mim `Everaldo, nós temos um carinho por você porque você está sempre na comunidade nos visitando, é diferente de outros políticos turistas que vem aqui a cada quatro anos”.
 
"Temos que levantar a cabeça. Isso é muito importante. Laguna tem que viver um novo mundo, este é o nosso objetivo.” 
 
“Antigamente, meu pai, quando pescava, trazia um balaio cheio. Por isso, vou me dedicar muito aos pescadores neste projeto do desassoreamento da lagoa”.