Tatiana Dornelles
Capivari de Baixo

Notisul – Qual a sua avaliação sobre a coligação pela qual o senhor é o cabeça-de-chapa?
Moacir
– É uma coligação extremamente importante, porque une PT, DEM e PRB. A grande vantagem é porque o PT tem o presidente da república, tem a senadora Ideli Salvatti, tem quem realmente se coloca à disposição do município. O PP tem, em nível nacional, o secretário do ministério das cidades, tem o ministro Marcos Fortes e tem também o secretário Leodegar Tiscoski. E o PRB tem o vice-presidente. Então, você vê que, em nível nacional, hoje, temos uma grande vantagem de poder levar os projetos da nossa cidade e irmos em busca de recursos.

Notisul – Quais os projetos estão englobados em seu programa de governo?
Moacir
– Temos um plano de governo que estabelece 11 metas específicas, em 11 áreas estratégicas, na busca de mais qualidade de vida à população. Já temos saúde 24 horas e, agora, nosso grande investimento será a construção de um hospital; construção do centro municipal de cultura; do centro poliesportivo, da Casa Lar, do Centro de Atenção Psicossocial, Centro Dia do Idoso; construir o Mercado do Produtor, mais creches, postos de saúde, que venham atender a demanda e as necessidades da população. Não esquecendo do grande investimento na área de relacionamento com a própria população, onde trabalharemos o governo itinerante. Trabalhar políticas especiais na produção da igualdade racial, a igualdade das mulheres, as pessoas com deficiências, a raça negra. Vamos investir também na modernização da gestão pública, a governança comunitária, onde a gestão do governo será participativa e itinerante, e vamos também investir na infra-estrutura, como saneamento básico, pavimentação asfáltica, segurança da cidade e o desenvolvimento local sustentável: buscar investir na geração de emprego, na geração de renda. E na qualificação profissional dos nossos jovens para prepará-los para o mercado de trabalho.

Notisul – Em sua visão, hoje, qual é a maior necessidade de Capivari?
Moacir
– Entendemos que todas as políticas públicas devem ser desenvolvidas da mesma maneira. Hoje, você tem 24 horas de saúde e já pensa em hospital. Tem novo modelo de educação e pretende continuar. Não existe uma prioridade número um, porque tudo o que vem ao encontro das necessidades da população deve ser priorizado por quem governa. Por isso, todas as políticas que envolvem habitação, saneamento básico, capacitação profissional, geração de empregos são fundamentais.

Notisul – Em diversas áreas, as pessoas continuam a utilizar os serviços disponibilizados em Tubarão. O que é possível fazer para que Capivari seja completamente independente de Tubarão?
Moacir
– Hoje, em termos de saúde, estamos com índice de resolutividade na casa de 90%. Dependemos de Tubarão? Um pouco. Dez por cento apenas. O resto é tudo resolvido em Capivari de Baixo. Em termos de geração de empregos, é claro que muitas pessoas ainda trabalham em Tubarão, como há pessoas que trabalham em Capivari, porque no último ano geramos aproximadamente 500 empregos diretos. Hoje, na saúde, estamos na casa de 90%, educação 100% e em termos de geração de empregos ainda algumas pessoas dependem da cidade vizinha.

Notisul- Capivari de Baixo tem hoje um dos maiores orçamentos da Amurel, se não o maior. Por que a cidade ainda não conseguiu desenvolver-se e ainda é conhecida como uma ‘cidade dormitório’?
Moacir
– Eu contradigo. Capivari progrediu muito. Hoje, temos saúde 24 horas, um novo modelo de educação, todos os programas em nível nacional na área de assistência social implantados, geração de empregos, qualificação profissional. Fizemos todo um investimento na área de saneamento básico, na área da cultura. Então, dizer que não progrediu seria temerário, até porque, em três anos, Capivari deu um salto em termos de qualidade em todas as políticas públicas, desenvolvidas com muita responsabilidade e, acima de tudo, com planejamento. Hoje, Capivari já é auto-sustentável em muitas áreas e em ações de governo.

Notisul – No bairro Santo André, há muitas reclamações de cães abandonados. Há algum projeto de canil municipal?
Moacir
– Isso não é só uma reclamação do bairro Santo André. Por mais que você invista e tenha uma ação de controle, sabe que a população não contribui totalmente para manter os cães presos. Pretendemos, sim, ter um canil e erradicar de vez esse problema. Que não é só na nossa cidade, mas em diversas. E quando isso ocorre é esporadicamente também.

Notisul – O cemitério está lotado. Qual a solução para este problema?
Moacir
– Quando iniciamos o governo, já havia um terreno destinado para a construção do cemitério, mas, diante das dificuldades que enfrentamos com relação ao meio ambiente, pois existe lençol freático, o plano diretor e os órgãos ambientais, que também fizeram muitas restrições com relação à área, a população adjascente é contrária, até porque a cidade se expandirá onde está localizado o terreno que seria para o cemitério. Hoje, está destinado para aquele local uma creche de mil metros quadrados e um centro poliesportivo. Mas já temos um local direcionado e planejado para a construção do novo cemitério, que não prejudicará nem o lençol freático e nem ficará no meio da cidade.

Notisul – É possível fazer uma avaliação positiva da sua administração?
Moacir
– O maior avaliador, que poderá nos julgar, é o povo. Seria temerário eu mesmo dizer que a nossa administração é a melhor de todas. Estamos fazendo uma administração consciente, transparente, voltada a trabalhar em função da população. Por isso, somos um município invejável em termos de saúde 24 horas, que nem Tubarão tem. Nosso índice de desenvolvimento da educação, que iniciamos em 2005 com 3,6, em 2007 já era 4,7. E a previsão do governo federal para 2011 é 4,6. Então, avançamos muito em termos de saúde, educação, assistência social. Agora, implantaremos o programa Bolsa Família municipal, o Bolsa Aluguel municipal, para atender as pessoas mais necessitadas da população. Aquelas que ficam invisíveis aos olhos da população. E é para quem o governo tem que olhar. Este é o julgamento sob o prisma de execução das ações estabelecidas no nosso plano de governo para o quadriênio 2005-2008. E, com certeza, está sendo avaliado pela população. Considero-me realizado e orgulhoso de tudo: de poder contribuir e, com certeza, Capivari deu um salto de qualidade. A população tem qualidade de vida, tudo foi feito com qualidade e a resposta será dada no dia 5 de outubro, quando o povo vai entender que aquilo que implantamos durante uma gestão de três anos e meio foi esquecido durante as administrações anteriores.

Notisul – Os irmãos Brunel estão em lados diferentes. Araildo Liberato Machado, o PG, e o senhor desfizeram a parceria. Qual a sua avaliação a respeito destas peculiaridades da eleição em Capivari?
Moacir
– Independemente das pessoas, o vice Atamir, que tem laços sanguíneos com o outro candidato – e isso não nos interessa -, tem visão, inteligência e comprometimento de trabalhar com um grande projeto de construção da cidade, que é o nosso projeto. E vem ao encontro daquilo que o PT também trabalha em nível nacional. Cada partido, cada coligação, deve vender o seu peixe, deve vender a sua proposta de governo, e o povo que vai avaliar. O fato de o vice-prefeito estar hoje em uma chapa foi intenção dele, uma forma espontânea, não foi forçada. Ele automaticamente desligou-se, interessado em galgar degraus maiores. Isso a gente respeita. E o nosso vice é competente e, com certeza, Capivari terá muito a ganhar com Moacir e Atamir.

Notisul – Se o senhor não for eleito, que rumos seguirá profissionalmente? Continuará na política?
Moacir
– Pensaremos muito em termos de política, mas, quando você fica sem mandato, o que ocorre é que tem uma profissão, que hoje está licenciado. Trabalho, graças a Deus, numa área tão essencial e tão importante para a estrutura e consolidação da cidade, que é a educação. Continuarei a ser educador, até porque não me aposentei. E, politicamente, é uma história para o futuro, para a gente estudar, rever momentos na história política.