Foto: Priscila Loch/notisul
Foto: Priscila Loch/notisul

Perfil
Expedito Michels e sua equipe têm conseguido um grande feito em tempos de crise: a ascensão da Fucap é refletida na expansão da rede de atendimento. A faculdade, com sede em Capivari de Baixo, comemora 17 anos de fundação com seis mil alunos e polos nos municípios de Lauro Müller, Laguna, Tubarão e Braço do Norte. A fórmula do sucesso, segundo o diretor, é justamente o trabalho em equipe. O objetivo é não apenas proporcionar uma formação sólida, como também incentivar o esporte e a cultura.

Priscila Loch
Capivari de Baixo

Notisul – A Fucap comemora 17 anos de fundação com um visível crescimento. Que conquistas merecem destaque nesse período?
Expedito –
Foram muitas as conquistas nestes 17 anos de história. Nossos cursos estão sempre recebendo melhoramentos para aumentar cada vez mais a qualidade no ensino para os alunos. Desde a sua fundação, a Fucap tem como missão desenvolver, por meio da educação superior de excelência, o potencial realizador das pessoas, contribuindo para a formação de cidadãos sadios, habilitados para a profissão, para a vida e integrados à comunidade. A cada cinco anos, fazemos uma reavaliação e a nossa missão continua a mesma. Uma das nossas últimas conquistas foi o curso de direito, que vem recebendo boa avaliação no MEC.

Notisul – São quantos alunos e que cursos e estrutura oferecidos?
Expedito –
Temos mais de seis mil alunos na graduação, pós-graduação e cursos de extensão. Em uma sede própria da Fucap, que conta com laboratórios, professores em sua maioria com mestrado e doutorado, além da parceria com a Uniasselvi, que amplia a oferta de cursos.

Notisul – Agora, além da sede em Capivari de Baixo e de polos nos municípios em Lauro Müller e Laguna, a instituição conta também com filiais em Tubarão e Braço do Norte. Há planos de continuar com o projeto de expansão?
Expedito –
Sim, essa ampliação faz parte de um projeto da instituição para que as comunidades dessas cidades e de possíveis outras possam contar com uma instituição de ensino de qualidade e que proporciona planos de pagamentos para que as pessoas possam investir na sua capacitação profissional para o mercado de trabalho cada vez mais exigente. Além de estar cada vez mais próxima desse público.

Notisul – O que vem de novidades por aí?​
Expedito –
Os cursos de psicologia e medicina estão em projetos.

Notisul – Qual a previsão para implantação destes cursos?
Expedito –
Não se pode fazer uma previsão, porque os calendários de avaliação mudam frequentemente. Pode-se dizer que está em nosso PDI (Plano de Desenvolvimento Institucional).

Notisul – Qual a fórmula para o sucesso da Fucap?
Expedito –
É que o Expedito não é ciumento, contrata pessoas melhores que ele (risos).

Notisul – A Fucap patrocina o Sharks, time de Tubarão que disputa a Liga Sul Catarinense de Basquete. Na sua visão, qual a importância do envolvimento das instituições de ensino com o esporte?
Expedito –
Faz quatro anos que optamos pelo marketing desportivo. O Sharks é um time que tem uma filosofia parecida com a da Fucap, por isso temos essa parceria que irá durar por muitos anos. As instituições de ensino têm um dever com a comunidade em que estão inseridas, de proporcionar não apenas uma sólida formação, mas também incentivar o esporte e a cultura. Nesse contexto, estamos ao longo dos anos patrocinando atletas de Capivari de Baixo e região. Para 2018, estamos finalizando a construção de duas quadras de Beach Tennis e um ginásio poliesportivo.

Notisul – Como você avalia o aumento da procura pelos cursos a distância?
Expedito –
De acordo com a atual necessidade do mercado, a opção de cursos semi-presenciais tem se tornado um nicho com amplas possibilidades e, devido a essa necessidade, atualmente estamos trabalhando através do sistema híbrido, isto é, consiste em que 20% da grade curricular de cada curso poderá ser feita através do ambiente virtual Black Board, sistema norte-americano que disponibiliza o programa Sagah para disseminação de conhecimentos aplicados a cada disciplina, bem como avaliações e tutoriais. Além de disponibilizar mais de seis mil e-books para acesso rápido aos alunos.

Notisul – Ainda existe algum tipo de preconceito com os profissionais formados a distância?
Expedito –
Os números atuais do MEC por si só já confirmam, não existe mais a distinção entre quem faz curso presencial, semi-presencial e EAD.  Aluno que faz uma graduação procura sempre aliar conhecimento adquirido, tempo e custo. Aliado à necessidade do mercado e ao conhecimento adquirido por estudantes desta modalidade, confirma-se que não há diferenciação. Conhecimento não é adquirido apenas em sala de aula, e, sim, através de pesquisas e empenho de cada um. O que torna um profissional capacitado para o mercado de trabalho é seu empenho e dedicação aos estudos, seja ele presencial ou EAD. Esse “preconceito” vem diminuindo significativamente, pois o mercado de trabalho vem notando que quem faz a qualidade no ensino é o esforço de cada aluno, e a Fucap vem se remodelando diariamente, respeitando o tempo de aprendizado de cada um em sua caminhada de aprendizado profissional.

Notisul – Como é possível melhorar a qualidade da educação no Brasil?
Expedito –
Primeiramente, teria que mudar a matriz de investimento na educação que o governo vem fazendo, aumentando em três vezes o orçamento do ensino fundamental, pois é a base para o desenvolvimento de cidadãos mais qualificados para adentrar no ensino superior e no mercado de trabalho. E, se faltar dinheiro para esse investimento, o governo deveria deixar o ensino superior com a iniciativa privada, que já participa com 75% dos alunos que fazem faculdade no Brasil.

Notisul – Especificamente com relação à educação superior, em que aspectos ainda precisa avançar?
Expedito –
A educação superior precisa ter mais visão sobre os interesses das pessoas que procuram formação. Outra mudança teria que ser em relação ao Enem, que serve para os ingressos em programas do governo como o Prouni e Fies, que são insuficientes na quantidade de bolsas de estudos para a demanda, e deve-se observar que quem ganha Prouni são os alunos que já cursaram mais de um ano de faculdade, veterenos, impedindo formandos do ensino médio de ingressarem na faculdade. Para resolver esta questão, a Fucap criou o Fucapp – Plano de Parcelamento, ofertado em cinco modalidades para os calouros, a partir de pagamento de 10% da mensalidade no 1º semestre, e assim sucessivamente. O objetivo é preparar o jovem para o Enem e colocá-lo no mundo de trabalho, pagar sua mensalidade e ajudá-lo a crescer na profissão. Esta é a maior continuidade que a Fucap planejou para as famílias. A segunda contribuição é continuar a baixar as mensalidades, como fizemos em 2017.

Notisul – O empreendedorismo têm sido um forte aliado da economia em nossa região. A Fucap inclusive já promoveu várias edições de feiras sobre o assunto, com o envolvimento dos estudantes. Qual a sua avaliação sobre o crescimento da quantidade de microempreendedores?
Expedito –
O empreendedorismo realmente tem sido um forte aliado da economia da nossa região. O microempreendedor pode ser qualquer pessoa, pode ser um jovem, uma pessoa com mais experiência, mas é preciso dizer que o empreendedor é aquela pessoa que se arrisca com as oportunidades que são abertas todos os dias, pois a economia está em constante mudanças e as oportunidades aparecem e desaparecem. A Fucap traz o envolvimento dos estudantes nas atividades acadêmicas com a finalidade de desenvolver habilidades empreendedoras, como a Gincana e a Feira do Empreendedorismo, que são ferramentas essenciais para contribuir com esse ambiente econômico volátil, no sentido de incentivar  os alunos a desenvolverem esse lado empreendedor que todos temos.

Notisul – A Fucap integra o sistema da Associação de Mantenedoras Particulares de Educação Superior de Santa Catarina (Ampesc). De que forma funciona essa união de instituições?
Expedito –
O associativismo entre as instituições de ensino superior tem foco na Ampesc porque cumprir a regulamentação do ensino superior à luz da Constituição, LDB (Lei de Diretrizes e Bases da Educação Brasileira) e o Sinaes (Sistema Nacional de Avaliação do Ensino Superior) é muito difícil e exige dedicação de toda a comunidade, dos alunos e dos colaboradores como uma só corporação. Então, a Ampesc torna-se uma troca de experiências entre seus membros e possibilita melhoramentos nas instituições.