O engenheiro Avani Aguiar de Sá, supervisor sul do Departamento Nacional de Infraestrutura em Transportes (Dnit), fala um pouco de assuntos que ficam em segundo plano para a maioria das pessoas, caso da polêmica criada em torno da iluminação pública e onde ficará o novo posto da Polícia Rodoviária Federal. Sempre direto nas respostas, Avani detalha ainda quais os trabalhos ficarão para o próximo. Ele arrisca até prazo para a finalização da duplicação do trecho sul: julho de 2011. Mas é cauteloso. E tem motivos: em 2009, quando todos aguardavam a conclusão de pelo menos 70% das pistas prontas, o ano fechou com 50%. 

Zahyra Mattar
Tubarão

Notisul – O que fica de obras para o próximo ano?
Avani
– Tivemos um ano de obras, de avanço. Obviamente, tudo tem sua exceção, e a nossa é o lote 25 (sob a responsabilidade do consórcio Blokos/Emparsanco/Araguaia, entre Capivari de Baixo e Laguna). A não ser os pontos não licitados em 2004 e o lote 25, onde as obras estão praticamente paradas, teremos toda a extensão da BR-101 duplicada até o fim do primeiro semestre de 2011. Quem sabe vai faltar um detalhe aqui e outro ali, como uma placa de sinalização e acabamento de alguma obra-de-arte especial, por exemplo. Mas nada demais. Além disso, as pessoas podem ficar tranquilas que o Dnit não dá a certidão de término de obra enquanto não verificarmos tim-tim por tim-tim o que manda o contrato. Não ficará absolutamente nada inacabado.
Em Tubarão, faltará a passagem inferior de São Cristóvão (a obra está 5% concluída), a de Treze de Maio (acesso) e a do Sertão dos Corrêa. O restante é adequação de pista, sinalização. Para mim, é obra pronta, porque realmente falta muito pouco, mas nem é bom falar muito porque a coisa desanda. Em Imbituba, está tudo pronto e são feitos detalhes mínimos de acabamento. Em Laguna… Jesus! Não tenho como falar algo bom do lote 25.

Notisul – Quando começa a construção do novo posto da Polícia Rodoviária Federal?
Avani –
Acredito que no primeiro trimestre do próximo ano. A obra será feita pela Triunfo. O projeto está pronto, mas estamos com um problema de encontrar uma empresa que faça. A Triunfo irá terceirizar esta parte porque não tem mão-de-obra, por exemplo, para fazer acabamento em prédio. O foco na empresa é outro, obra pesada. Já deveria ter começado, mas acho que resolvemos esta questão até janeiro. O pátio já está pronto.

Notisul – Onde vai ficar?
Avani
– Naquele alargamento de pista feito no banhado do cubículo, um pouco antes do acesso a Treze de Maio (sentido sul). O antigo será removido porque iremos estender a rua lateral. Com isso, o trânsito da cidade terá uma faixa maior de mobilidade, entre o Morro do Formigão e o início do banhado do Cubículo. Hoje, para ir até a PRF, por exemplo, tem que usar a rodovia.

Notisul – Haverá passeios públicos na área urbana de Tubarão?
Avani – A obra da BR-101 prevê a recuperação de toda a extensão das ruas que margeiam a rodovia. No projeto, também está inclusa a construção de calçadas e ciclovias na região urbana. Teve um trecho que ficou de fora, a parte do São Cristóvão. Mas vamos incluir este pedaço também. As ciclovias serão feitas com tachões, porque aí você já utiliza a marcação como segurança para o motorista também. Fica muito melhor do que aqueles corredores estreitos. Fica feio. Com o tachão, é mais seguro e mais bonito.

Notisul – Já existem alguns avanço em relação à concessão do trecho sul da rodovia?
Avani
– Não. O projeto de duplicação da BR-101, lá em 2000, previa financiamento integral do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), por isso, inclusive, a licitação foi internacional. Na época, o BID já projetava fazer a concessão no terceiro ano, independente se na obra estivesse pronta ou não. É possível fazer a concessão sem que a obra esteja totalmente concluída, ainda que particularmente eu considere que isso não ocorre no próximo ano. O motivo é simples: com a alteração da praça de pedágio em Palhoça, todas as outras terão que ser alteradas. No projeto que tínhamos pronto, havia uma divisão ‘x’ de trechos; agora, tudo terá que ser revisto. Mas quem cuida disso é a Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), não é de competência do Dnit. De qualquer forma, seja no próximo ano ou em 2012, 2013, o fato é que a rodovia será administrada por uma concessionária. Até porque é garantia de que a estrada receberá a manutenção devida, isso sem contar o pagamento da iluminação.

Notisul – A questão em relação à iluminação pública da rodovia está resolvida?
Avani
– Não. Estamos com um impasse em relação a esta questão. O problema é que o Dnit não tem rubrica, não tem verba específica para este tipo de coisa. Temos para iluminação das instalações, mas não para rodovia. Está em consulta na sede, em Brasília, a possibilidade de firmar um convênio com os municípios com a duração, quem sabe, de dois anos. Até porque, com a finalização das obras no próximo ano, já deverá ser revista a questão da concessão, como foi feito no trecho norte. E com isso esta conta é da empresa que vai administrar, e não mais das cidades. Entendemos que realmente as prefeituras não têm como arcar com mais esta dívida. É muita coisa mesmo. Vamos tentar viabilizar de alguma forma, ou com este convênio, ou com a criação de uma rubrica própria, no Dnit mesmo, para pagar esta conta até sair a concessão. Não vai ser fácil fazer isso por conta da burocracia fora de série nos órgãos públicos, mas acho possível porque será por um curto período.

Notisul – Como ficam as obras durante a temporada de verão?
Avani
– Durante o verão, as obras que geram qualquer tipo de interferência ao tráfego da rodovia serão paralisadas nas sextas-feiras e retomadas nas segundas-feiras. Durante o verão, pouca coisa irá parar, porque não tem quase nada que interfira no trânsito. A sinalização também será reforçada. Tem um trecho de Laranjeiras (em Laguna) que está horrível e eles devem pintar por agora. Outro ponto ali nas proximidades da ponte sobre o Rio Capivari também é péssimo. Mas não ficará abandonado no verão não.