Bertoldo Weber
Braço do Norte

Notisul – A Ordem Rosacruz é muito antiga?
Elenor
– Sim. Ela é muito antiga, remonta ao antigo Egito, no período de Akenathon da 18º Dinastia de Faraós do Egito, que introduziu o monoteísmo e a adoração ao deus sol, que já se entendia desde então como símbolo da luz maior, que todo buscador sincero na senda mística deve buscar no imenso universo do seu eu interior. Para nossa época, a Ordem Rosacruz Amorc ressurgiu com Harwey Spencer-Lewis, que a trouxe para a América do Norte, no século 20, especificamente em 1915, e aí começou a se desenvolver para o mundo.

Notisul – Por que chamam a ordem de Fraternidade Branca?
Elenor
– Nossa ordem não é chamada de fraternidade branca. Ela pertencia a uma união de fraternidades místicas com finalidades afins que denominavam a Grande Fraternidade Branca. Que não existe mais.

Notisul – A ordem é uma seita, religião? É algo do bem?
Elenor
– A Ordem Rosacruz Amorc, de fato, não é religião e nem seita. Ela é uma escola iniciática, uma filosofia de vida e uma instituição mística e cultural. Enfim, diz-se que a Ordem Rosacruz Amorc é uma fraternidade iniciática e cultural.

Notisul – Existem muitos comentários de que a Ordem Rosacruz possui ligação direta com a Maçonaria. É verdade?
Elenor
– Não. A Ordem Rosacruz possui alguns ensinamentos místicos e propósitos fraternais para a humanidade que se assemelham à maçonaria e mais nada.

Notisul – Quem pode fazer parte da ordem?
Elenor
– Qualquer um que estiver preparado para trazer à sua vida o poder de uma filosofia de vida e uma prática mística.

Notisul – Explique objetivamente os Mistérios dos Rosacruzes? Por que não é mais popularizada ou difundida?
Elenor
– Mistérios são mistérios se forem revelados deixam de ser mistérios. Mas, no plano objetivo, ou seja, da forma como lidamos com o mundo, com os outros e conosco mesmo no dia-a-dia, não vamos encontrar mistério nenhum na Ordem Rosacruz. O Mistério encontra-se nos ensinamentos e nos rituais que são apreendidos no plano sutil de nossa consciência, de forma mais subjetiva e que nos é transmitido não em forma de sinais, como é a nossa linguagem escrita ou falada, mas em forma de símbolos. E, para entender os símbolos místicos, o ser humano precisa estar preparado. O Rosacruz é preparado para isso pelos estudos, mas, acima de tudo, pelos rituais iniciáticos onde a chave do conhecimento simbólico lhes é revelado. Essa revelação também não acontece de forma objetiva, de forma que a mente racional pudesse imediatamente entendê-la e o segredo lhe fosse revelado. Existe uma fórmula muito antiga para entender esse mistério, dizia que “quando o discípulo está pronto, o mestre aparece”. No nosso caso, o mestre pode ser a revelação de um símbolo ou de vários símbolos. E não somos nós que conseguimos pelo esforço voluntário de aprender e de nos apoderarmos de um poder que nos possibilita essa compreensão. É o próprio símbolo ou o saber místico que se apodera de nós quando “o discípulo está pronto!”. Portanto, o mistério dos Rosacruzes está nesta constante busca. Uma busca que não quer encontrar ninguém, nem nada, mas ser encontrado.

Notisul – “Conhecimento e aprendizado” com muita harmonia é o ponto chave da vida?
Elenor
– Sim. E que não se dá apenas pelo estudo e leitura da literatura místico-esotérica, mas de muita prática e que os Rosacruzes ensinam com grande eficiência. Os ensinamentos Rosacruzes são passados aos estudantes de duas formas. Em forma de monografia, onde se encontram ensinamentos teóricos e práticos, sobre o misticismo rosacruz e na visita a um organismo afiliado que são templos rosacruzes na forma de Pronois, Capítulos e Lojas de acordo com o número de membros que visitam cada organização destas.

vNotisul – Qual a mensagem para as pessoas neste mundo globalizado, agitado, onde o dinheiro para a maioria das pessoas é o foco?
Elenor – A Ordem Rosacruz trabalha misticamente para que essa fase da humanidade ainda extremamente materialista e avarenta por bens materiais passe o mais rapidamente possível para que o ser humano comece novamente a buscar as maravilhas do mundo interior, de seu eu interior, que se encontra eternamente conectado com todas as outras formas de vida, com o planeta e o cosmos e, portanto, sem lugar para egoísmos, vaidades e paixões materialistas. O amor pleno tão requisitado para a humanidade não pode ser imperativo, ele é conquistado pela compreensão maior que podemos ter do universo, do divino e de nós mesmos como em nada separado, abandonado ou individualizado, mas um todo num tudo. Quando isso for compreendido plenamente, o amor universal prevalecerá e, finalmente, haverá paz no mundo, harmonia no universo e amor pleno entre os seres humanos.

Notisul – É possível, através de bons pensamentos, decidir melhor? E a paz mental das pessoas, como está?
Elenor
– Existe uma reciprocidade entre pensamento e linguagem, ou seja, pensamos pela linguagem e a linguagem orienta nossos pensamentos. Sabemos que nossa linguagem é muito limitada, logo, os pensamentos de certo modo também. É difícil falar sobre o amor pleno, a paz profunda, enfim, sobre o divino e o cósmico. Nossos pensamentos racionais e de lógica formal nos impedem isso. Mas, pela prática mística, podemos experimentar esses sentimentos e entendimentos e, assim, projetar para o mundo, para as pessoas, e que certamente os ajudará a aliviar um pouco as tensões e os sofrimentos humanos que existem em quantidade extremamente grande no mundo dos humanos.

Notisul – Os Rosacruzes já ajudaram muitas pessoas pelo mundo? É verdade que o poder e a sabedoria está no interior de cada pessoa e que é preciso despertar individualmente?
Elenor
– Os Rosacruzes pelo mundo trabalham sem esperar recompensa ou benefícios e, por isso, nada é divulgado sobre o comprometimento e participação de Rosacruzes em eventos históricos ou individuais para o bem das pessoas, instituições, países ou para a humanidade inteira. Mas, certamente, que as vibrações positivas da prática mística Rosacruz já ajudou muito. Esse poder de auxiliar a humanidade e salvar o planeta está claramente dentro de cada um de nós e é preciso que cada vez mais um maior número de pessoas encontre esse poder. A Ordem Rosacruz Amorc faz a sua parte para esse despertar em cada um de seus buscadores. Foi mais ou menos isso que entendeu o grande guru místico indiano Manhatan Gandy, que asseverava a população de seu país, em especial os soldados, a não lutarem com armas pela independência de seu país. Ele afirmava que: “quando apenas um só homem alcançar a plenitude do amor, isso neutraliza o ódio de milhões”.