A coligação “Tubarão quer mais”, composta por PSDB, PMDB, PR, PTC e PMN, tem o tucano Carlos Stüpp como candidato a prefeito de Tubarão e o peemedebista Edson Firmino como vice. Aos 55 anos, Stüpp acumula no currículo dois mandatos consecutivos como prefeito, de 2000 a 2008. Edson, 50 anos, está em seu terceiro mandato como vereador e é o atual presidente da Câmara. Ambos também já disputaram uma cadeira na Assembleia Legislativa.

 

 

Priscila Loch
Tubarão

 

Notisul – O que os credencia a serem prefeito e vice de Tubarão?
Stüpp –
Tenho 55 anos, não me considero velho, e sim alguém experiente, alguém que já tem uma visão das necessidades de Tubarão. Conheço cada recanto dessa cidade. Conheço a prefeitura por dentro, os caminhos para buscar recursos. Entendo que estou qualificado para governar a cidade pelos próximos quatro anos. Sou aquele que acredita que vai oferecer mais para Tubarão que os nossos oponentes.
Edson – Eu tenho experiência, sou pós-graduado em gestão pública, sou formado em administração de empresas, tenho a visão privada e pública. Fui secretário de governo durante um ano. Fui desafiado a desenvolver uma atividade que gerou uma ação de execução, no caso a Central da Cidadão. O que acredito que mais nos credencia é a experiência, que é muito necessária hoje para governar. O que nos qualifica é a nossa junção, que significa uma força, tanto no estado quanto no governo federal. Temos três senadores, dois do PSDB e um do PMDB. Temos uma estrutura.

Notisul – Como vocês veem a cidade no passado, no presente e no futuro?
Stüpp –
Somos uma cidade provinciana ainda, apesar dos 100 mil habitantes. Temos uma vida pacata, de interior, com acesso às coisas das grandes cidade. Tem pontos fortes, a começar pela educação de qualidade, uma saúde espetacular, com nossos hospitais e clínicas. Dá uma vantagem quando se enxerga o caos que é a saúde pública no Brasil afora. Somos uma cidade estrategicamente bem situada. Sem gargalos, que não existem mais, estamos prontos para crescer. Aquilo que desejávamos há muito tempo, que era a logística necessária para esse desenvolvimento, chegou. Cabe a nós, prefeito e vice, sermos instrumentos provocadores, aqueles que jogam a cidade para cima, que mexem na inércia. Enxergo Tubarão crescendo muito nos próximos anos. Tenho certeza que a região sul é a bola da vez, e temos que tomar o cuidado de pegar esse bonde aí e nos levar de fato a um patamar pelo menos parecido com outras regiões do estado, como o norte. Temos que ter capacidade de provocar uma sinergia tão forte, tão grande que possa nos levar a estarmos próximos daquele ideal, que é manter a cidade com esse ar provinciano, mas com desenvolvimento econômico muito maior que hoje.
Edson – Tenho dito aos políticos que nos representam em Brasília que reinsiram Tubarão no mapa se já não tinham mais, no sentido de que considero que é a hora de Tubarão. As cidades fortes no estado chegaram meio que no ápice, e Tubarão tem agora todo o caminho para crescer. E acreditamos nisso. Penso que esse é o momento ideal para fazermos algo diferente e mais por toda essa infraestrutura que foi criada e, utilizando-se dela, vamos fazer um marco diferencial na história. Vamos inovar, apesar da experiência.
Stüpp – É importante salientar que o melhor para crescer nós temos, que é material humano, nosso povo, nossa gente.
Edson – As instituições de ensino da cidade estão aptas a serem parceiras, e aquilo que ainda não têm de melhor podem tornar-se as melhores. 

Notisul – O que vocês podem fazer de diferente?
Stüpp –
Posso afirmar que o meu cartão de visitas é o legado que deixei como prefeito. Tenho certeza que provoquei uma transformação enorme na cidade em todas as áreas e por todas as comunidades. E esta experiência é que me credencia a postular novamente ser prefeito. Penso que sou o mais experiente para poder governar em um momento de instabilidade econômica e política que ainda vivemos no país.
Edson – Eu trabalhei os últimos dois anos na Comissão de Inovação de Tubarão, que discutiu toda a metodologia para inovar, para valorizar o empresário, o empreendedor que acredita, que já tem aqui o seu investimento e também para buscar outros que pretendam vir para cá. Participei de todas as reuniões, discutindo, planejando, e isso nos dá um diferencial. Não se pode entrar na máquina pública sem experiência, experiência de sucesso. O Carlos teve uma experiência de sucesso. Eu tive experiência de sucesso no estágio que fiz enquanto secretário de governo. Enquanto legislador, foquei em inovação, que vai colaborar com o executivo.

Notisul – Quais as principais carências de Tubarão hoje?
Stüpp –
Tubarão precisa novamente de um choque na área de infraestrutura. A cidade parece um tanto largada nesse momento. E, quando se fala em infraestrutura, sou um campeão nessa área. Sou aquele que de fato cuidou do anel viário da cidade, como poucos fizeram. Tenho certeza que é uma das demandas maiores nesse primeiro momento. Claro que não estou dizendo que esta é a prioridade. A prioridade sempre há de ser as pessoas, e isso passa por saúde, educação, segurança de qualidade, política social voltada aos que menos têm e os que mais precisam. Esse há de ser sempre o foco principal. 
Edson – As reclamações sobre as ruas são diárias, inclusive na imprensa. Precisamos também reorganizar a saúde. Carlos ampliou em três vezes o número das unidades de saúde, conseguiu manter o atendimento uniforme padrão. Passaram secretários, pessoas bem esforçadas até, mas não conseguiram manter. Outro problema gravíssimo é que não projetaram novas creches, até fizeram algumas reformas, mas já deveria ter se buscado captar recursos para a construção de mais unidades. Há uma carência enorme e precisamos dar uma atenção especial para isso. Quem conseguiu a maioria dos recursos para a cidade nos últimos anos foram todos políticos de oposição, e conseguiram por si, não por solicitação do governo municipal. Queremos fazer diferente, temos capacidade.

Notisul – Conforme o plano de governo da coligação, que projetos merecem destaque?
Stüpp –
Vamos focar os quatro anos em cinco eixos: saúde, educação, segurança, desenvolvimento econômico sustentável e mobilidade urbana. Estão englobados abaixo de cada tópico desse as áreas específicas. Nosso plano de governo é algo factível, paupável, possível, nada mirabolante ou fora da realidade. Temos que entender que somos um dos municípios catarinenses com 100 mil habitantes com menor receita per capita de uma prefeitura. Somos, na prática, uma prefeitura pobre, que precisa de um esforço enorme do gestor público para fazer com que as demandas sejam atendidas. Não me elegi nas outras vezes fazendo promessas mirabolantes, mas nem por isso o povo deixou de acreditar.
Edson – As pessoas estão contribuindo com ideias. O plano inclui reposicionamento de Tubarão, buscando alternativas tecnológicas e científicas; aplicação da Lei de Inovação; empreendedorismo nos bairros, o que puder torná-los mais sustentáveis, até por uma questão trânsito, para facilitar o deslocamento; vamos precisar de parcerias com instituição de ensinos, como universidades; inclusão de pessoas portadoras de necessidades especiais; na educação, qualificar o ensino; no esporte, ainda não vocacionamos o município e observar os potenciais é importante. Temos tido o cuidado de ter viabilidade para a palavra que empenharmos. Não queremos correr o risco de que digam que prometemos e enganamos o povo. Temos limitação de recursos e tem que adequar à realidade de Tubarão. As respostas têm que ser dentro dessa condição. Na mobilidade urbana, precisamos racionalizar caminhos. Carlos foi talvez o prefeito mais revolucionário na questão de anel viário. Tínhamos uma região de banhado na região da avenida Pedro Zapelline. Stüpp é um prefeito que começa e termina. 
Stüpp – Somos a junção dos dois partidos com maior capacidade para buscar os recursos lá fora, em qualquer instância de governo. Para que possamos dar resposta a essa limitação de recursos que temos. Nos meus mandatos, fizemos com que houvesse uma integração do centro da cidade com os bairros. 

Notisul – A área da saúde é uma das mais críticas e criticadas pela população. Que investimentos são realmente viáveis?
Stüpp –
É possível manter o básico, com médico, dentista e toda a equipe, nos postos de saúde. A estrutura já temos, está distribuída em todo o município. É preciso manter o abastecimento de remédios e garantir acesso a médicos especialistas. Não tenha dúvida que é possível acabar com as filas nos postos de madrugada. Já vivemos isso em Tubarão. Em 2001, mês de fevereiro, eu saindo de casa para levar meus filhos na escola, passei em frente ao INSS, onde havia uma central de atendimento e as pessoas faziam fila na madrugada, recebiam uma ficha para eventualmente conseguir um médico. Disse ao então secretário de saúde, Manoel Bertoncini, que ele tinha dois meses para acabar com essa fila. Em todo o meu mandato, não tivemos filas nos postos de saúde para buscar atendimento. Com qualidade de gestão, temos condições sim de oferecer melhor atendimento na saúde.
Edson – Acredito que hoje o temor das pessoas é não ter atendimento e  elas acabam pegando a fila cedo por isso, pelo receio de não serem atendidas. No momento que estabilizar essa situação, as pessoas vão se sentir mais seguras e vai diminuir esse hábito de ir mais cedo. 

Notisul –  Ainda falando de necessidades, na educação, um dos maiores problemas é a falta de vagas nos centro de educação infantil. O que dá para fazer para resolver essa questão?
Edson –
É preciso buscar parceria com os governos estadual e federal. Tem que trabalhar na captação de  recursos para promover essa ampliação. Tenho entendimento que se deve buscar espaços maiores e de referência, para oferecer o melhor para os professores e para os alunos. 
Stüpp – Uma das coisas que vamos efetivamente mudar é a  forma de relacionamento, de tratamento com o servidor público. Eu vejo servidores desestimulados, muitas vezes nem pelo aspecto financeiro, mas pela forma com que o atual governo os trata. O servidor tem se sentido oprimido, perseguido. O servidor que está já sabe o jeito que vou tratá-lo, bem.

Notisul – Com a crise instalada em todos os municípios brasileiros, como é possível driblar a falta de recursos e transformar projetos em realidade?
Stüpp –
Com choque de gestão, não tem outro caminho. Tem uma realidade nacional hoje de redução na atividade econômica. Isso tem reflexo direto principalmente no orçamento do próximo ano, que vai estar baseado na receita de 2015 e 2016. Sem gestão eficiente, nós estaremos fadados ao caos administrativo. Isso passa por um enxugamento da máquina, pela valorização do servidor, fazendo com quem possamos oferecer mais com menos.

Notisul – A campanha nesse ano é diferente das eleições anteriores, com menor tempo e recursos mais restritos. Melhorou ou piorou?
Stüpp –
Não tenho dúvida que uma campanha mais barata, como é a atual, faz os candidatos utilizarem de outros instrumentos que são bem mais rústicos: gastar sola de sapato, suar a camisa e apertar a mão do cidadão. Estou muito satisfeito, gostando demais de estar nessa campanha. Eu e Edson temos participado efetivamente de até seis reuniões por noite, nos aproximando cada vez mais dos cidadãos, das comunidades, e não estamos fazendo isso de hoje. Antes da campanha, já buscávamos uma aproximação maior, ouvindo as pessoas, as necessidades, o que cada entende que é preciso para a cidade ser melhor. 
Edson – Estou muito satisfeito. Primeiro, porque encontrei um candidato a prefeito que trabalha junto, mesmo, que é povão. Hoje, ele representa um político popular, que vai às comunidades, tem relacionamento. Eu gosto de política de relacionamento, de conversar com as pessoas. Temos um trabalho muito dinâmico e sincronizado.
Stüpp – Eu tenho um legado de obras em todas as comunidades. Então, ir aos bairros e ouvir a população fica extremamente simples e fácil. As pessoas te acolhem. Não é preciso fazer promessa, porque na cabeça das pessoas elas pensam “esse cara faz”.

 

O Notisul inicia nesta edição as entrevistas pingue-pongue com os candidatos a prefeito e vice de Tubarão e Braço do Norte. As publicações, aos fins de semana, foram organizadas em  ordem alfabética (de acordo com o nome do cabeça de chapa), iniciando por Tubarão.