Início Geral De sonho a pesadelo: expondo o golpe do exame admissional

De sonho a pesadelo: expondo o golpe do exame admissional

Imagem Divulgação Notisul Digital

Além do esforço constante para conquistar uma vaga no mercado de trabalho, quem busca por empregos hoje em dia deve ficar atento ao esquema criminoso que oferece falsas oportunidades para lesar as vítimas. O golpe do exame admissional é um tipo de fraude que usa o nome de grandes agências de emprego em disparos de mensagens SMS, divulgando supostas vagas de emprego pré-aprovadas.

Imagem Carteira do Trabalho Divulgação Notisul Digital

Passando-se por empresas como Infojobs, Catho, Vagas, Gupy, etc., os criminosos solicitam um pagamento antecipado aos desempregados que recebem estas mensagens. A verossimilhança do golpe é reforçada por outros elementos, como a orientação aos candidatos para entrar em contato com uma clínica via WhatsApp e agendar o exame, prometendo um reembolso posterior.

Variações e vulnerabilidades

As fraudes por SMS são apenas as versões mais recentes dos golpes com classificados de emprego. Pessoas desempregadas tendem a estar mais abertas a oportunidades de fontes desconhecidas e, muitas vezes, não possuem tanta opção de escolha, o que abre uma óbvia vulnerabilidade para os oportunistas explorarem.

Mensagens de e-mail, vídeo chamada e mesmo mensagens via LinkedIn são outros possíveis vetores de golpes desse tipo, cujo objetivo pode variar desde o roubo de informações pessoais ou credenciais até a extorsão ou contaminação do dispositivo da vítima com um malware.

Os sites que listam vagas de emprego também podem veicular anúncios falsos. Devido ao grande volume de empregadores ativos, nem sempre é possível fazer uma filtragem correta. Assim, criminosos conseguem agir com impunidade, imitando a identidade de recrutadores legítimos ou inventando outras identidades falsas até que alguém seja prejudicado e denuncie a ação ilegal.

Como evitar os golpes do exame admissional

Quem se candidata a exames admissionais precisa cuidar da sua pegada digital, que são os dados pessoais e de navegação deixados como rastros ao navegarmos pela internet.

Mascarar o endereço IP é uma das maneiras de proteger a privacidade na rede. O IP, ou Internet Protocol (Protocolo da Internet) é um número único atribuído ao dispositivo de cada usuário. Cibercriminosos podem descobrir tal número e direcionar ataques virtuais ou mesmo descobrir a localização geográfica atribuída ao dispositivo.

Nesse sentido, esconder o número de identificação dificulta o rastreamento por golpistas oferecendo ofertas falsas de emprego. Caso você se pergunte: “Como mascarar meu endereço IP?”, a resposta é uma VPN (Virtual Private Network, ou rede virtual privada).

Uma VPN é um serviço que canaliza a conexão de seus assinantes através de uma conexão privada, criptografada. Tal conexão atribui o número IP de um servidor privado, que mascara a localização real do dispositivo que acessa a internet, o que provê mais privacidade on-line.

Outras boas práticas

Além da VPN, uma boa dose de preparo para interpretar a oferta de emprego pode ajudar a detectar fraudes. Primeiramente, é importante observar há quanto tempo o perfil do recrutador está ativo, caso a oferta de emprego seja numa lista on-line ou rede social. Perfis criados há poucas semanas e sem atividade de postagem ou interação são altamente suspeitos.

Em segundo lugar, observe se a oferta parece boa demais para ser verdade. Isso é bastante comum, embora não exclusivo, em golpes por SMS – já que as mensagens são breves e devem chamar atenção com valores atrativos a receber sem muitos pré-requisitos. Compare a oferta com outras similares de empresas do mesmo ramo em plataformas de vagas de trabalho para entender se ela está fora do padrão, caso fique em dúvida.

Por fim, outras práticas de cibersegurança devem ser incorporadas tanto por desempregados em busca de emprego quanto por internautas em geral: utilizar um antivírus de confiança, evitar clicar em links de mensagens SMS ou que solicitem informações pessoais, evitar fornecer informações sensíveis em formulários e jamais baixar arquivos de conversas de WhatsApp são as principais delas.

Sair da versão mobile