Na terça e quarta-feira da semana passada, foi realizado o evento Inovar para Brasil, organizado pelo Google for Education na cidade de São Paulo, na própria sede da Google Brasil. Na oportunidade, mais de 150 educadores e gestores de escolas públicas e privadas tiveram a chance de conhecer iniciativas do próprio Google em prol da educação e também de outras entidades que fazem uso da G Suite. Nosso Estado teve destaque nos painéis temáticos com a apresentação dos cases das unidades do Senai de Tubarão e do Sesi de São José como primeiras escolas de Santa Catarina certificadas como Escolas de Referência Google for Education. Foram apresentados também os case da Secretaria Estadual da Bahia e de uma Faculdade do nordeste Brasileiro.

A Google por sua vez, foi representada pelo time Brasileiro além de desenvolvedores globais, com especial destaque para o Sr. Jonathan Rochelle, atual Diretor de Desenvolvimento de Produtos do Google for Education. Rochelle também atuou como gerente de produtos responsável pelo desenvolvimento de um dos aplicativos mais conhecidos, o Google Drive (Docs, Sheet, Slides), entre outros.

Além da apresentação das plataformas digitais da companhia para uso educacional, que já são utilizadas por milhões de educadores e alunos em todo mundo, certamente o ponto alto do evento foram as discussões de como esta transformação digital poderá modificar a forma que educamos e aprendemos. E um dos ganhos possíveis é a mudança na dinâmica dentro das salas de aula, proporcionando maior engajamento e participação dos estudantes, além de permitir que estes também possam desenvolver habilidades que serão necessárias no novo mercado de trabalho. E claro, também criar condições para que os estudantes possam encontrar uma fonte segura de informações e conhecimentos, além de poder buscar por reforços escolares, sejam eles tutorados pelo seu educador ou em alguma plataforma aberta, como é o caso do YouTube Educação. 

E no que tange a necessidade de reforço escolar, as tristes estatísticas da educação Brasileira falam por si só da crescente necessidade de tal. Um exemplo são os resultados de 2017 do Sistema de Avaliação da Educação Básica (Saeb), pelo qual se evidencia que entre os alunos do 3º ano do Ensino Médio, somente 4,5% possuem nível adequado em matemática e o que é pior, somente 1,6% possuem nível adequado em português. A mesma avaliação aponta ainda que 7 em cada 10 alunos acaba o ensino médio com conhecimentos insuficientes nestas duas áreas.
E por fim, destacando uma fala do Sr. Jonathan Rochelle, ele afirma que embora o desenvolvimento de Inteligência Artificial esteja cada dia maior, inclusive com aplicação nas plataformas de educação digital, o seu maior medo é a “inteligência humana artificial”, na qual os jovens são desestimulados a pensar, para somente reproduzir respostas pré-programadas.
Assim, a Tecnologia e a Educação devem andar juntas, complementares, e nunca de forma concorrente entre si.

Para educadores
Você educador já pensou em poder avaliar diariamente seus alunos, de forma rápida e simples, e que lhe dê respostas significativas em tempo real? Sim, isso é possível por meio de várias ferramentas disponíveis hoje na internet, algumas pagas, outras gratuitas.  Nosso destaque especial hoje é para o Google Formulários, uma plataforma gratuita e muito fácil de utilizar.
Com ela pode-se elaborar um breve questionário utilizando desde opções de respostas com múltipla escolha até questões abertas, o qual então pode ser compartilhado por vários meios, desde utilizando o link completo, um link encurtado ou até mesmo por QRCode, onde os alunos utilizando seus próprios devices (celulares ou computadores) o acessam e o respondem ao final de cada aula e/ou assunto ministrado.

Tão logo todos respondam, o docente poderá verificar por meio das respostas o grau de assimilação do conteúdo, saber em qual tema mais respostas erradas foram apontadas, e assim, já na próxima aula tomar providências e retomar a discussão dos conhecimentos com maior dificuldade, quem sabe até mesmo utilizando outras estratégias de ensino. Tudo isso de forma coletiva ou individual.

Para estudantes
A maioria dos estudantes do Brasil utiliza, ou pelo menos conhece, a plataforma de vídeo mais famosa: O YouTube! Agora a pergunta que “vale um milhão”: Quantos a utilizam para estudar?
A resposta é que infelizmente a grande parte dos usuários, principalmente os jovens estudantes da Educação Básica, o acessam costumeiramente para assistir clipes musicais e vídeos engraçados, mas poucos fazem uso para fins acadêmicos.
Embora nem todos saibam, dentro desta plataforma há inúmeros canais educacionais com excelentes vídeos de educadores do Brasil e do Mundo. É possível assistir, por exemplo, como ocorre uma erupção vulcânica ou como funciona a turbina avião, até aulas completas de biologia, matemática, história, geografia, aulões para o Enem, dentre muitos outros assuntos.
Além dos estudantes, os pais também podem fazer uso destes canais, seja para aprender mais sobre algum determinado assunto, seja para ajudar seus filhos nas tarefas escolares diárias.
Um canal indicado para este fim é o YouTube Educação, o qual conta com quase 320 mil inscritos e que pode ser acessado pelo link: https://www.youtube.com/educacaoto ou pelo QRCode ao lado.
Bom estudo a todos. E não se esqueçam, nunca deixem de ser ‘aprendedores’.