Nas últimas semanas várias redes do país começaram a anunciar a retomada gradativa das aulas presenciais. Contudo, devido às restrições sanitárias e de saúde pública, continuará havendo a necessidade de distanciamento social. A solução? A utilização do ensino híbrido.

 

Ensino Híbrido na Retomada 

Antes mesmo da pandemia iniciar já se discutia como poderia expandir a oferta do ensino em tempo integral para todo o país, e uma das alternativas poderia ser a adoção de aulas híbridas. Mas sobretudo agora num momento em que as redes começam a traçar os planos de retomada das aulas presenciais, e que as regras sanitárias ainda exigem a necessidade do distanciamento social, o ensino híbrido certamente é uma das melhores soluções, já que nem todos os alunos poderão estar presentes no mesmo espaço e ao mesmo tempo.

E para aqueles que tem dúvidas se ele funciona ou não, basta olhar para o retrovisor dos últimos seis meses e verão que de uma forma inesperada já foi vivenciado neste período. É bem verdade que exigiu um trabalho hercúleo tanto dos educadores, quanto das escolas e famílias, mas foi o que manteve as aulas ocorrendo neste período.

 

Ensino Híbrido

Mas afinal, o que é ensino híbrido? Para muitos este tipo de ensino é uma mescla, uma alternância entre o presencial e o digital. Mas na verdade, é muito mais do que isso. Primordialmente ele dá a oportunidade de expandir o conceito de espaço x tempo. Permite que a sala de aula esteja em qualquer lugar a qualquer momento.

Quanto ao fato de passar a falsa impressão que é só uma alternância entre o presencial e o digital, essa visão se justifica em seu conceito, visto que sim, também é um ensino semi-presencial. Ou também conhecido como blended learning.

Sobretudo o ensino híbrido permite a integração de diversas tecnologias com focos específicos. Cria condições de colaboração e acima de tudo, é possível adaptar o tempo, ritmo e estilo de aprendizado para cada estudante.

Considerando ainda a disponibilidade de aplicativos e tecnologias que dispomos hoje, esta integração pode ser maior ou menor dependendo da familiaridade que os docentes / escola / alunos e família dispõem dos mesmos.

 

Sugestões de interações

Se você professor terá que adotar o ensino híbrido a partir das próximas semanas, talvez provavelmente esteja se perguntando como fará? Ainda mais se lecionar em uma escola pública com poucos recursos tecnológicos e para um público de poucas posses.

Para classes que dispõem de internet e dispositivos, manter as aulas síncronas em vídeo conferência continua sendo uma alternativa para executar algumas atividades. Mas lembre-se, aulas híbridas não são a simples transposição do presencial para o digital.

Assim segue algumas dicas de como fazê-lo:

1. As escolas / redes precisarão conjuntamente reavaliar os currículos e apontar o que efetivamente precisa ser presencial e o que poderá ser “transportado” para o digital.

2. Assim, antes de mais nada priorize os momentos presenciais para interações e para atividades que obrigatoriamente exijam daquele espaço / tempo.

3. O repasse de conteúdo / conhecimentos na maioria das vezes poderá ser feito de forma remota. Posto que, tanto você docente poderá produzir seus próprios conteúdos / vídeos, quanto fazer a curadoria de materiais já existentes na internet, como do youtube.

4. Comece a consumir Podcasts de divulgação científica e indique episódios específicos para seus alunos, visto que esta é uma mídia que pode ser consumida mesmo no offline. O Scicast é um excelente canal para começar.

5. De espaço para inovação. Teste. Se reinvente. Instigue seus alunos buscar novas formas de interação, seja com os colegas, com a escola e até mesmo com a comunidade.

6. Provoque seus alunos com perguntas investigativas e proponha roteiros de estudo.
Mãos à obra. Ou melhor, ao celular e computador!

 

Será Fácil?

Certamente não! Mas lembre-se que todos nós precisaremos nos reinventar. Todos mesmo, sem exceção.

Nas próximas semanas traremos mais dicas de como escolas / docentes e famílias podem tornar essas aulas híbridas tão ou mais engajantes do que o presencia.
Se você tiver alguma dúvida específica, nos escreva: fernando@fernandopitt.com.br.