Depois de mais de três meses com as aulas presenciais suspensas, começam os primeiros movimentos de retorno gradual. Embora ainda apenas para algumas modalidades, e todas elas especialmente com liberação para a execução das aulas práticas.

A princípio, o retorno já autorizado diz respeito às aulas práticas dos cursos superiores, cursos livres, e em breve cursos técnicos de escolas privadas. Todavia, mesmo para estas modalidades já autorizadas, há uma série de regras que devem rigorosamente seguidas, das quais destacam-se:

• Medidas de temperatura de todos que irão acessar a escola;

• Necessidade de distanciamento mínimo entre as pessoas (alunos e professores);

• Uso de Máscaras;

• Maior rigorosidade e periodicidade na higienização dos ambientes;

• Ainda assim, limita o acesso a somente 50% da capacidade máxima dos ambientes.
Além disso, há inúmeros outros pontos a serem observados.

 

Como serão as aulas a partir de agora?

Embora o retorno esteja sendo parcialmente autorizado, uma coisa é certa: as aulas de agora em diante tendem a ser bem diferentes. Pelo menos, no que diz respeito ao uso da tecnologia em sala, e também fora dela.

Segundo uma pesquisa realizada no mês de maio pelo Instituto Península, com 7.734 docentes de todo o Brasil, 88% deles afirmava que nunca haviam ministrado qualquer tipo de aula em um ambiente virtual até então.

Além disso, 55% também relataram que durante sua formação também não tiveram nenhum tipo de capacitação para utilizar as tecnologias educacionais em sala de aula. Assim como, computadores e aplicativos. Ao mesmo tempo, a pesquisa também destaca que 75% dos entrevistados gostariam de receber capacitação neste sentido.

Assim sendo, é de se esperar que muitos tenham recebido as capacitações necessárias, e também tenham adquirido novas capacidades para uso das tecnologias em sala. Ao mesmo tempo que, os alunos que também acabaram por experimentar mais a tecnologia em favor da educação e seu aprendizado, também vão querer que ela permaneça.

 

Tendências para Educação pós pandemia

Este é um tema muito amplo e que merece ser revisitado em breve, mas já podemos adiantar algumas tendências para a educação pós pandemia:

• Maior adesão a cursos livres EaD: Cursos livres, como os de qualificação profissional, especialmente nas áreas de gestão e tecnologia, tendem a ganhar mais adeptos às aulas digitais. A formações EaD.

• Aulas hibridas: Embora que, para os cursos regulares a permissão de aulas hibridas (parte presencial / parte mediada por tecnologia) estejam autorizadas em caráter de exceção, para outras modalidades, novamente no caso de cursos livres, poderá ser uma alternativa.

• Uso de tecnologia: O uso de aplicativos e plataformas educacionais, deverá permanecer nas salas de aulas mesmo naquelas escolas em que o uso de celular era proibido até então.

Como já escrevemos em textos anteriores, neste mundo pós pandemia mais do que nunca o profissional deverá estar capacitado para as novas profissões. Sobretudo porque todas de uma forma ou outra serão impactadas pela tecnologia.

E você, já está planejando qual será a sua próxima formação? Será presencial, hibrida ou 100% EaD?