Um dos pontos-chaves para se obter controle efetivo das finanças pessoais, de forma a não comprometer nada necessário ou importante, é desengessamento do orçamento.

Orçamento engessado nada mais é do que aquele em que você não tem onde enxugar. Pelo menos não de um dia para outro. O grande problema dessa situação, é que por mais que tentemos ser previdentes, não foi dado ao ser humano o poder de prever o futuro. Vários acontecimentos podem fazer com que você gaste, de uma hora para outra, um valor maior do que o planejado. Quando temos uma “gordura” no orçamento, sabemos que ela pode ser usada caso ocorra algum gasto imprevisto durante aquele mês ou os anteriores.

Lógico que ter uma reserva de emergia consistente é fundamental, mas nem todos a tem. Enquanto essa não for integralmente constituída, ter um orçamento desengessado, que permita que algumas despesas sejam cortadas ou diminuídas, pode nos livrar de grandes dores de cabeça. 

Para quem tem a reserva composta e tem um planejamento de acúmulo de dinheiro, seja para qual for o fim, a manutenção dessa “gordura” no orçamento, proporciona a qualidade de vida necessária para paciência no processo de acúmulo de patrimônio (que é demorado e tedioso) e propicia que as reservas não sejam acessadas muito frequentemente (já que uma vez utilizado dinheiro da reserva, o esforço deve ser para recompô-la). 

Importante: não ligue engessamento com o grau de importância das despesas. Elas não têm correlação. Há despesas engessadas muito importantes – como aluguel, escola, planos de saúde – assim como há despesas engessadas sem importância nenhuma – como aquela compra que você fez por impulso e parcelou em duas encarnações. Por outro lado, despesas não engessadas, que são aquelas que podem facilmente ser cortadas ou diminuídas, podem ser tão acessórias como gastos com lazer e cuidados pessoais, ou tão essencial como supermercado, que nos meses ruins restringimos mais as compras.

Para quem tiver dificuldades em ter as rédeas de suas finanças, essa é uma recomendação primordial. Trace seu orçamento e verifique o grau de engessamento dele. Após o conhecimento faça as referidas mudanças em sua rotina de consumo e trace suas estratégias.  

Para quem quiser me acompanhar nas redes sociais:  
YouTube: juro que dá certo;
Instagram: @planejamento_financeiro_camila.