“Não existe uma receita pronta e fácil! A meu ver, ela se resume em três sorrisos, os quais servem como o fundamento do bom humor. O primeiro sorriso é aquele de Deus: o Senhor é Pai e Criador de cada um de nós, e por isso é normal que nos contemple com um sorriso repleto de afeto, como o de um avô ao olhar seu netinho de 2 anos. Creio que esse sorriso que recebemos de Deus é o ponto de partida necessário, o único fundamento sólido para nosso bom humor cotidiano. O segundo sorriso é aquele que abro ao olhar para mim mesmo – seja para meus defeitos ou para minhas qualidades, para meus sucessos ou fracassos. “Os anjos podem voar”, dizia Chesterton, “porque não se levam muito a sério. Satanás, por sua vez, caiu por força da gravidade”. O terceiro sorriso depende dos dois primeiros e é o sorriso com o qual consigo acolher os limites dos outros, seu modo de ser. Amar é saber acolher com um sorriso afetuoso as imperfeições de quem está ao meu redor. (Carlo Machi) .