Hoje, encontramos na liturgia um modelo de liderança e autoridade válido para nossos dias. Percebemos como a atividade de ensinar foi, para Jesus, a missão central de sua vida pública. Porém, a pregação de Jesus era muito diferente da dos outros mestres e isso fazia com que as pessoas se espantassem e se admirassem. Certamente, ainda que o Senhor não tivesse estudado (cf. Jo 7,15), desconcertava a todos com sua doutrina, porque justamente «falava com autoridade» (Lc 4,32). Seu estilo possuía a autoridade de quem tinha consciência de que era o “Santo de Deus”. O mais admirável da fala de Jesus Cristo era esse saber harmonizar a autoridade divina com a mais incrível simplicidade humana. Autoridade e simplicidade eram possíveis em Jesus graças ao conhecimento que possuía do Pai e de sua relação de amorosa obediência a Ele (cf. Mt 11,25-27). É o que estamos precisando para nosso pais!