É comum não deixarmos de pecar porque não mudamos alguns péssimos hábitos e não exercitamos alguns hábitos ótimos. Por exemplo, costumamos elogiar o bem com muito menos intensidade do que lamentamos o mal; costumamos agradecer pelas realidades boas e belas com muito menos frequência do que deploramos as realidades más e feias; e, principalmente, costumamos esperar (e exigir) que Deus faça tudo ou quase tudo sozinho em vez de realizarmos atos de caridade voluntários, conscientes, gratuitos, ocultos e diários em prol do nosso próximo.

Hoje, aprofundaremos este tema na missa das 16 horas em Oficinas, quando faremos a bênção da garganta, por ser o Dia de São Braz.