Hoje, o Evangelho narra as dificuldades e as contradições que o cristão haverá de sofrer por causa de Cristo e do seu Evangelho e como deverá resistir e perseverar até o final. Jesus nos prometeu: «Eis que estou convosco todos os dias, até o fim dos tempos» (Mt 28,20); mas não prometeu, aos seus discípulos um caminho fácil. Antes, pelo contrário, lhes disse: «Sereis odiados por todos, por causa do meu nome» (Mt 10,22).  A Igreja e o mundo são duas realidades de ”difícil” convivência. O mundo, que a Igreja há de converter a Jesus Cristo, não é uma realidade neutra, como se fosse uma cera virgem que só espera algo que lhe dará forma. Isto só teria sido assim se não tivesse havido uma história de pecado entre a criação do homem e a sua redenção. O mundo, como estrutura afastada de Deus, obedece a outro senhor, que o Evangelho de São João denomina como o senhor deste mundo, o inimigo da alma. O que fez com que o cristão fizesse um juramento no dia de seu batismo de renunciar ao mal para ser todo de Deus . (In: Pe. Lapana)