A liturgia desta terça-feira nos conta o episódio do paralítico curado à beira da piscina de Betesda. Não tendo quem o colocasse dentro dela no momento em que as águas se movimentavam, sofreu assim por muitos anos. O encontro com Jesus permitiu que outras águas fossem despertadas dentro dele: as da fé e da misericórdia. Aproxime-se nesta quaresma não de uma piscina, mas daquele que é a verdadeira fonte de água viva: o Senhor Jesus Cristo. Procure uma igreja, faça sua confissão sacramental.