Fico observando como nossas frustrações podem influenciar a maneira como olhamos, analisamos o mundo. Uma mágoa, um amor não correspondido, uma desilusão, a sensação de se estar sozinho e abandonado podem nos tornar ácidos e cítricos (o que é diferente de cítrico). Nestes momentos, um pensamento logo me vem à mente: “ah… aí está seu tendão de Aquiles, sua criança ferida ou adulto machucado”. Confesso que minha primeira reação diante destes seres humanos fragilizados é uma oração: mental, silenciosa e implorando misericórdia. Afinal, quem não chega a Deus pelo amor poderá chegar um dia pela dor, não é mesmo? Alguns demoram mais que outros.

Em tempo: Mas todos podem chegar lá! Venha rezar conosco hoje em Oficinas, na novena das 19h30min.