A fidelidade está ao nosso alcance. Em geral, nossos dias transcorrem no que chamamos de normalidade: o mesmo trabalho, as mesmas pessoas, algumas práticas de piedade, a mesma família. Nessas realidades ordinárias devemos crescer como pessoas e em santidade. «Quem é fiel nas pequenas coisas será também nas grandes» (Lc 16,10). É preciso fazer tudo bem feito, com boa intenção, com desejo de agradar a Deus, nosso Pai; fazer as coisas com amor gera muito valor e nos prepara para receber o verdadeiro. São José Maria expressava: «Viste como ergueram aquele edifício de grandeza imponente? – Um tijolo, e outro. Milhares. Mas um a um. – E sacos de cimento, um a um. E blocos de pedra, que pouco representam na mole do conjunto. – E pedaços de ferro. – E operários que trabalham, dia a dia, as mesmas horas… Viste como levantaram aquele edifício de grandeza imponente?… À força de pequenas coisas!» (Pe. Fortuny).