Hoje, a liturgia da Igreja convida-nos a considerar o maravilhoso exemplo de São José. Ele foi extraordinariamente sacrificado e delicado com sua noiva Maria. Não há dúvidas de que ambos eram excelentes pessoas, apaixonados como nenhum outro casal. Mas, também temos que reconhecer que o Altíssimo quis que seu amor de casal passasse por circunstâncias muito exigentes.

O Papa são João Paulo II escreveu, que «O cristianismo é a surpresa de um Deus que saiu ao encontro da sua criatura». De fato, foi Ele quem tomou a “iniciativa”; para vir a este mundo não esperou que tivéssemos merecimentos. Apesar de tudo, Ele propõe, não impõe: quase diríamos que nos pede “licença”. Para Maria propôs – não lhe impôs! – a vocação de Mãe de Deus: «Ele, que tinha o poder de criar tudo a partir do nada, negou-se a refazer o que tinha sido profanado se Maria não participasse» (Santo Anselmo).