No evangelho deste dia, Jesus nos orienta a vivermos a fidelidade conjugal como princípio de coexistência amorosa. Amor sem fidelidade é loucura e fidelidade sem amor é tortura. O ser humano sente, no mais íntimo de seu ser, a necessidade de que haja pessoas que lhe retribuam um amor fiel. Faz parte do tecido humano sentir-se retribuído em seus esforços afetivos. Façamos-lhe por motivações espirituais, frutos da fé ou, não a tendo, façamos-lhe por motivações humanas. Que, na presença ou na ausência, seu coração seja indiviso. Não troque a joia preciosa de seu amor por falsos brilhantes. Não troque o outro legítimo pela transitoriedade de falsos metais ou prazeres momentâneos. No fim da sua vida ficarão do seu lado aqueles e aquelas que realmente lhe amam.