Sabe aquela sensação de estar em um beco sem saída? Ou de estar se
sentindo sufocado, com um aperto no peito ou um nó da garganta? Bem,
esse sentimento tem nome. Se chama Angústia.

Estamos vivendo um momento cheio de impossibilidades e a angústia vem
frequentemente por que a todo momento nos vemos em uma espécie de
encruzilhada. Ficamos perdidos no meio de tantas informações e situações
novas que aparecem a cada dia.

– Fico com as crianças ou vou trabalhar?
– Procuro um emprego ou espero tudo isso passar?
– Vou ao mercado ou ou peço um lanche pelo aplicativo?

É comum confundir a angústia com doenças cardiológicas. Por isso, quando
descartado esse diagnóstico médico, este é um provável diagnóstico.

A angústia é uma emoção muito similar à ansiedade, só que a ansiedade é
um incômodo em relação ao futuro e a angústia é mais conhecida como um
sofrimento em relação ao presente, onde não se vê saídas diante das opções
que existem agora.

Como a angústia vem normalmente de um conflito perante as
possibilidades, muitas vezes por uma falta de controle de algumas
situações (ex: querer trabalhar mas ter os horários limitados), é importante
procurar saídas.

Reconhecer seus limites e aceitar o que você não pode controlar, é um
caminho importante.

Elencar suas vontades e necessidades, avaliar suas prioridades, fazer
acordos consigo ou com os demais e buscar soluções cabíveis para o
momento, é um caminho saudável.

A angústia, se não controlada, pode levar a quadros mais graves de
ansiedade e depressão. Por isso, é fundamental buscar a ajuda de um
psicólogo para conversar sobre seus desafios, principalmente diante do
cenário que nos encontramos, cheio de limitações.

Repense os meios de fazer as coisas, mas acima de tudo, seja cuidadoso
com você e com os outros. O que você faz hoje faz diferença em toda a vida.
Seja na sua. Seja na dos demais. Cuide-se.