Prof. Dra. Luciana Flor Correa Felipe
Bruno Angelo Medeiros e Eric Cristhiano Marcelino da Silva, Acadêmicos do Curso de Ciência da Computação – Unisul

 

Devido a pandemia de COVID-19, todos tiveram que passar por mudanças de hábitos, quebrar a rotina, adaptar-se a novas formas viver em sociedade e, é claro, a novos meios de trabalhar. Neste sentido, um dos modelos mais adotados para este momento foi o de trabalhar em casa, ou seja, a modalidade home office.

Em primeira análise, exercer uma atividade profissional sem precisar sair de casa, parece ótimo, nosso imaginário nos remete a conforto, liberdade, autonomia… Mas será que a realidade é realmente assim?

Foi pautando-se nesta inquietação que os acadêmicos Bruno e Eric, do 10º semestre do Curso de Ciência da Computação da UNISUL, realizaram uma pesquisa, na Unidade de Aprendizagem de Sociedade, Cultura e Tecnologia, objetivando identificar os pontos positivos e negativos da migração do presencial na empresa, para o home office, durante a pandemia.

A pesquisa quantitativa foi organizada a partir de perguntas fechadas e aplicada por meio de formulário do Google Forms. Participaram da pesquisa 36 pessoas do Departamento de Desenvolvimento e Tecnologia de uma empresa de Tubarão, que declaram ter atuado ou estar atuando em home office no momento da coleta.

Embora trate-se de um exercício acadêmico, uma vez que os acadêmicos não seguirem sistematicamente todos os rigores de uma pesquisa científica, os dados dão uma boa ideia, da percepção dos pesquisados sobre o tema em questão.

Sobretudo, porque vários estudos e matérias recentes apontam que o home office deve crescer cerca de 30% após a pandemia de COVID-19 (UOL, 2020); portanto, se esta modalidade de trabalho está em ascensão, é importante compreender como as pessoas estão lidando com a mudança, visto que ela pode se tornar permanente em alguns casos.

O intervalo de idade dos entrevistados variou de 18 a 50 anos, sendo que aproximadamente 50% destes, tem de 18 a 28 anos. Do total de pesquisados (36), 94,4% moram com 2 a 4 pessoas, 86,1% não possuem filhos, 66,7% moram em apartamento e 77,8% estão vivenciando a primeira experiência na modalidade home office.

Sobre os aspectos mais desafiadores do trabalho a partir de casa, os participantes sinalizaram tópicos relacionados à presença dos familiares, dificuldade em estabelecer rotina, a ruptura do relacionamento interpessoal presencial, falta de convívio social, atividades em excesso, dificuldade em conciliar trabalho e estudos, dificuldade de concentração e infraestrutura. Sobre este último item, 16 participantes relataram ter problemas com a conexão de internet.

Outro ponto citado foi a dificuldade em estabelecer limites entre o ambiente pessoal e profissional, ou seja, lazer e trabalho; contudo 88,9% (32 participantes) admitiram conseguir ter um tempo livre para si e, apenas 12 participantes responderam que o afastamento social causou algum tipo de desconforto com relação a este item.

Apesar das dificuldades mencionadas, um ponto interessante é que apesar de 77,8% dos participantes nunca terem trabalhado em home office antes, a maior parte dos entrevistados alegou uma boa adaptação, haja vista que 83,3% gostariam de manter este modelo de trabalho, caso haja a oportunidade.

Em suma, mesmo com a indicação de aspectos que precisam ser administrados, os participantes tiveram uma boa impressão sobre home office e a maioria gostaria de continuar nesta modalidade de trabalho, mesmo após a pandemia. Apesar disso, é perceptível a necessidade de equilíbrio e adaptações na rotina, ambiente, relações e ferramentas, para que se possa trabalhar a partir de casa e manter a produtividade, mas também a saúde física e mental.

Vivamos as mudanças da melhor forma, sejamos resilientes, mas sempre mantendo o bom senso e os princípios para o bem-estar e a qualidade de vida.

 

Você sabia?

Para atender as novas demandas do mundo do trabalho, que exigem cada vez menos teoria e muito mais prática, a Unisul, que integra o Ecossistema Ânima, passa a oferece 37 cursos de pós-graduação em diversas áreas do conhecimento com metodologia mais dinâmica e inovadora nas unidades da Instituição.

Os candidatos poderão escolher entre os cursos de Agroindústria 4.0, Gestão da Produção Industrial, Cidades Inteligentes, MBA Gestão Estratégica de Negócios, MBA Gestão Estratégica de Marketing, MBA Gestão Estratégica de Pessoas, MBA Controladoria e Finanças Corporativas, MBA Gestão Estratégica de Projetos, Auditoria em Saúde e Gestão da Qualidade, Enfermagem Hospitalar, Neuropsicologia, Estética Avançada: Biomedicina, Neurociência Aplicada à Educação, entre outros.

Com corpo docente qualificado, as aulas serão híbridas, em ambientes digitais e encontros presenciais a cada módulo. Para saber mais sobre os cursos acesse o site: www.unisul.br/cursos-hibridos/

 

Fique atento!

A Unisul anunciou na última segunda (17), o início do segundo semestre letivo. Embora seja um semestre atípico, em função da pandemia e do distanciamento social ainda necessário para a preservação da saúde de todos, a Unisul não quis deixar passar em branco.

Por acreditar que o momento de volta às aulas deve ser celebrado de uma forma especial, a Universidade trouxe um convidado muito especial, Rogério Flausino. O cantor fez um bate-papo com os estudantes sobre o tema “Você protagonista da sua história”.