Infelizmente eu já falei essa frase algumas vezes! “Estou com vergonha de estar desempregado”. Pois é, ninguém ensina um adolescente, ou qualquer outra pessoa a procurar emprego. Raros são os cursinhos direcionados. E, eu nunca ouvi dizer que alguém assistiu aulas para aprender a ficar desempregado por algum período de tempo. Ou você já compareceu em alguma aula para aprender a lidar com a fila do desemprego?

Por que ficamos com vergonha de dizer que estamos desempregados? Por que nos sentimos tão descolados quando estamos nesta situação momentânea? Até a nossa posição física de caminhar muda! Quando estamos desempregados geralmente andamos de ombros arriados e cabisbaixos. É ou não? Ou, isso só ocorre comigo!

Lembro que nos períodos que fiquei desempregado me sentia excluído da sociedade. Sentia-me totalmente emotivo. Desanimado. Cabisbaixo. Tinha vergonha de participar de uma roda de conversa com amigos, pois em algum momento isso viria à tona. Acredite, por experiência própria, ficar desempregado é desconfortável e desafiador.

Todos esses sentimentos desagradáveis eu vivenciei na adolescência. Porém, isso serve para qualquer idade. Ou não? Mas, porque nos sentimos assim? Imaginem, um pai ou uma mãe de família desempregado (a)! Precisando pagar as contas, sustentar a família e etc. e tal. Pois é, a situação é bem complicada!

E quem nunca passou por isso? Acredito que todos, pelo menos uma vez na vida, passarão ou já passaram por esta situação. Ou não? Infelizmente as chances são de 50% para todos nós.
Contudo, não sou psicólogo, entretanto vou escrever algumas dicas para tentar amenizar os traumas de estar desempregado que aprendi por experiência própria. Estas dicas me ajudaram e me ajudam muito!

Pratique serviço voluntário – Ajudando os outros, você se ajuda. O voluntariado pode dar um impulso saudável para a sua autoconfiança, autoestima e satisfação com a vida. Fazer o bem para os outros e para a comunidade proporciona uma sensação natural de realização. Seu papel como um voluntário também pode dar-lhe um sentimento de orgulho e realização. É a melhor sensação que podemos sentir. Principalmente nesse momento delicado que se vive quando estamos desempregados. O voluntariado se caracteriza por ser uma via de mão dupla: pode beneficiar você e sua família, tanto quanto a causa que você escolher para ajudar. Dedicar algum tempo para ajudar pode lhe trazer bons amigos, aumentar sua rede de contatos e/ou te ajudar a conseguir novas oportunidades.

Peça ajuda – Se você está em busca de uma vaga de emprego não se esqueça de acionar seus amigos. Nem todas as vagas de trabalho abertas por uma empresa ganham as ruas ou são anunciadas. Então avise seus amigos seus familiares seus vizinhos que você está desempregado. Peça se caso eles ficarem sabendo de alguma vaga informar você.

Procure emprego diariamente – Procurar emprego é quase um trabalho full-time em si mesmo, ou seja, deve dedicar-se a esta atividade todos os dias. Pesquise na internet, jornais, telefone para amigos e conhecidos. Veja bem, nunca se sabe quando uma oportunidade pode surgir, por isso, procure não deixar escapar nenhuma. Adapte sempre o seu currículo ao anúncio em questão e, se o telefone não tocar e o e-mail não chegar em sua caixa de entrada, não desespere, nem desista e não desanime. Mais tarde ou mais cedo, irá conseguir a tão desejada oportunidade no mercado de trabalho. Fé em Deus e sucesso!

Mural de vagas
• Engie Energia, em Capivari de Baixo, contrata:
Engenheiro operação I, técnico de manutenção mecânica I, Técnico Utilidades I, Técnico Manutenção Mecânica II – Turboalternadores, Técnico Manutenção Mecânica II – Análise Preditiva, Técnico Manutenção Automação I e Engenheiro Utilidades I – CTJL. Outras informações pelo Twitter @ahoradoemprego.