Eu não sei. Pois é! Mas, eu sou um cientista. Engraçado isso né? Na verdade, eu não sei como os outros cientistas se tornaram cientistas. Já até li várias histórias e tal, mas isso não vem ao caso agora. Porém, eu sei como eu me tornei um cientista. E é isso que eu quero compartilhar hoje com vocês. Talvez, a minha trajetória sirva para alguma coisa para você. Talvez!

Ficou curioso? Sim? Se sim, você pode ser um cientista. Se não, você também pode se tornar um cientista! Complexo isso né? Ok vamos aos fatos. Espera aí, antes me deixe dizer que mesmo você não tendo nenhum interesse em ser um cientista, peço que você não desista da leitura por agora. Ao final vou revelar uma valiosa dica que possa servir para algum conhecido que sonha em ser cientista. Talvez! Antes de tudo preciso revelar que eu nunca fui aluno nota dez. Nunca. Sério, nunca. Se você já tinha uma opinião formada que para ser cientista tem que ser aluno nota dez. Sinto muito desapontá-lo. Há vários exemplos de cientistas famosos que não eram “bons” alunos. Um bom exemplo é o renomado cientista brasileiro Augusto Cury. Então o que é preciso para ser um cientista? No meu caso, eu sou muito curioso. Amo desafios. Amo descobrir coisas novas. Sinto-me muito bem estudando para entender como as coisas funcionam. Esqueço as horas do dia e da noite quando me deparo com algo novo que precisa ser estudando para entender seu funcionamento e tal. E mais, dentro de um laboratório eu não trabalho, eu me divirto! Será que eu respondi à pergunta? O que você acha? Ah, eu já ia me esquecendo de dizer que amo ler. Eu amo muito o hábito da leitura (livros, artigos científicos, jornais, revistas e etc. e tal). Portanto, agora que você já sabe como me tornei um cientista da engenharia eu vou revelar a dica que pode alavancar seu sonho de ser um cientista. Mas, antes tome nota de alguns renomados cientistas brasileiros que possuem histórias inspiradoras: O geógrafo Milton Santos, negro e de família muito podre, que desenvolveu estudos importantes sobre urbanismo em países subdesenvolvidos. César Lattes, físico que descobriu a existência de outra partícula no átomo, o méson. Santos Dumont, o pai da aviação. Artur Ávila, matemático, que ganhou a Medalha Fields, considerada o Nobel da Matemática.  Então, o que eu quero revelar é que o Prêmio Jovem Cientista está com inscrições abertas.  Isso mesmo, nós temos um evento no país que se chama Prêmio Jovem Cientista. Você não sabia? Se você não sabia, não se sinta. A ciência no Brasil não é valorizada e nem divulgada como deveria. Mas, nem tudo está perdido. Estudantes dos ensinos Médio e Superior, mestres e doutores podem se inscrever no prêmio que esse ano traz como tema “Inovações para a conservação da natureza e transformação social”. Legal isso né!

Veja bem, no ano em que eu participei do Prêmio o tema era: “Água, fonte da vida”. Não ganhei o prêmio, contudo tenho um certificado de participação e isso serviu como um degrau para a minha carreira de cientista. Guardo até hoje com muito carinho o meu certificado do Prêmio Jovem Cientista do ano de 2001. Agora é com você. Pois bem, tens alguma proposta inovadora para a conservação do meio ambiente e para a transformação da sociedade? Se inscreva na edição de 2018 do Prêmio Jovem Cientista. Para participar basta acessar o site: jovemcientista.cnpq.br.

Entretanto, se a ciência não é a sua “praia”, não deixe de compartilhar com os teus amigos(as) nas redes sociais. Posso contar com você? A ciência e o mundo agradecem. Fé em Deus e sucesso!