Em meu currículo profissional, seja ele tradicional ou na plataforma lattes, está escrito: poliglota. Português, espanhol, inglês e francês são as línguas que eu falo atualmente. Dessa forma eu carimbei o passaporte para o meu doutorado sanduíche.

Em 2016, eu ganhei uma bolsa de pós-graduação em engenharia para uma universidade da Rússia, mas infelizmente não pude ir. Escrevi isso num texto que foi publicado aqui no jornal. Mas não foi por não saber falar russo, e, sim, por questões financeiras. Na época eu não tinha dinheiro para a passagem aérea.

Hoje, estou pronto para qualquer universidade de engenharia do planeta, haja vista que a maioria das pós em engenharia são no idioma inglês. Porém, se tiver condições de escolher, pretendo escolher uma universidade francesa. Meu pai acredita ser muito perigoso estudar na França. Não desprezo os medos dele tendo em vista tudo que estampam as manchetes dos jornais.

E antes que você desista da leitura do texto de hoje, eu preciso vraiment (realmente, em francês) dizer como eu aprendi a falar um dos idiomas mais falados no mundo. Well.

Em primeiro lugar, eu decidi que iria aprender a falar francês. Essa foi uma tomada de decisão muito importante. Acredito ser a mais difícil. Por que eu digo isso: veja bem, se você tiver qualquer dúvida em relação a isso, você desiste no primeiro obstáculo. É, ou não é?

Independentemente da sua resposta, eu costumo dizer por aí: que faço da minha força de vontade o meu poder mágico!

Posteriormente, sem dinheiro para um curso em uma escola particular, fui em busca de um site confiável e gratuito para aprender francês. Encontrei vários. Porém, simpatizei com o Duolingo.com, ótimo site.

Nesta busca cheguei a conhecer o criador do site Duolingo, Luis von Ahn, um guatemalteco que diz: aprender una nueva lengua nos hace más productivos y nos facilita la búsqueda de trabajo (traduzindo do espanhol: aprender um novo idioma nos torna mais produtivos e facilita a busca por um trabalho). Luis é um jovem empreendedor e professor associado no departamento de ciências da computação da Carnegie Mellon School. Como eu disse: simpatizei com a sua filosofia de vida.

Feito isso, montei uma agenda de aulas. E segundo o fundador do duolingo.com, aprender um novo idioma requer prática diária. Foi o que eu fiz e continuo fazendo. Aulas diárias, sete dias por semana. Não é fácil. E quem disse que aprender um novo idioma é fácil? Há momentos em que penso em desistir. Felizmente, essa vontade dá e passa logo.

E para fechar o pacote de estudos, eu assisto diariamente palestras do Ted Talk (ted.com) em francês. São ótimas. Vraiment, são ideias que valem a pena ser ouvidas. E tenho audácia de escolher de qual universidade francesa eu prefiro assistir às palestras. Tudo online e gratuito. É ou não é sensacional?

Eis a minha receita para aprender um novo idioma: força de vontade e persistência. Essa receita eu pretendo seguir até os meus últimos dias de vida. Hastag eu amo aprender algo novo todos os dias. E como eu sempre digo para minha mãe: eu nunca vou parar de estudar! E você, qual vai ser o seu próximo idioma?

Mural de vagas
• Effisa indústria de máquinas, de Braço do Norte, contrata comprador. Mais informações pelo fone: 3658-2242

• Flach carregadores, de Braço do Norte, contrata auxiliar de produção. Sexo feminino. Interessadas podem enviar o currículo para o e-mail: faturamento@flachcarregadores.com.br

• Japhi Pesca, de Laguna, contrata manipulador de pescados. Com experiência na área. Interessados podem enviar o currículo para o e-mail: rhjaphi@gmail.com

• Líder Atacadista, de Capivari de Baixo, contrata comprador de hortifrúti. Com experiência na área. Interessados podem enviar o currículo para o e-mail: rh03@lideratacadista.com

• Sesc de Tubarão está selecionando estagiários. Mais informações pelo site sesc-sc.com.br