Se foram os tempos em que eu me escondia atrás do sofá da sala na noite da véspera do Natal esperando o Papai Noel depositar o meu presente na árvore de Natal. Eu fazia vigília. Mas o sono vencia. E quando acordava do breve cochilo o danado do Papai Noel já tinha passado e deixado o meu presente no pé da árvore que minha mãe enfeitava com tanto carinho.

Natal sempre foi sinônimo de diversão. Ao menos para mim. Hoje não percebo mais essa magia.

Principalmente para nós que vivemos nessa selva de pedras e nesse mundo carrancudo e sem graça. Onde o humano perdeu o sentindo, haja vista que é o desumano que dá audiência. É ou, não é?

Contudo, na próxima segunda-feira é Natal. E nada mais poético do que escrever um texto com alguma ligação com essa data. É ou, não é? Porém, eu vou sacanear! Além de poético este texto pretendo trazê-lo mais para o lado humorístico. E você e eu sabemos que o período natalino também é uma época própria para boas gargalhadas. Estou certo ou errado? Quem não curti uma boa gargalhada?

Rir faz bem para a saúde, a ciência já comprovou. É sério: rir faz bem à saúde. Inúmeros estudos de universidades e instituições relevantes comprovam que o ato de dar risada e, principalmente o de gargalhar, ativam substâncias em nosso corpo que trazem sensações benéficas. Bora ri gente!

Falando em dar boas risadas, o autor Alexandre Rangel nos revela de forma bem-humorada alguns tipos de chefes. Será que o seu chefe se parece com algum destes? Vamos ver…

Tem o chefe abelha, que sempre faz cera e se levanta só para ferrar os outros. Depois tem o conhecido por chefe caranguejo, aquele que só faz o serviço andar para trás. Temos também o chefe chiclete, é aquele que não desgruda um minuto sequer das pessoas. O chefe disco quebrado, é aquele que não se toca nunca. O chefe disco velho, que é aquele chefe que só chia. O chefe doril, surgiu problema? Ele sumiu. O chefe fósforo, aquele que esquenta a cabeça por pouco. Já o chefe James Bond é aquele que vive espionando as pessoas dentro da empresa. O chefe jóquei é aquele que sempre cai do cavalo. O chefe limão, aquele que está constantemente azedo. O chefe Lombardi, aquele que só fala por trás. O chefe morcego, aquele que só aparece no final do expediente. O chefe orelha, só fica na escuta para entregar as pessoas. O chefe peixe, na hora de dar o aumento, nada. O chefe prego, aquele coitado que só leva na cabeça. O chefe sorvete, aquele que se derrete todo quando o diretor aparece, e o chefe Papai Noel, aquele que só enche o saco de todo mundo. Será que o seu chefe tem algum desses comportamentos? Se tiver, não perca a calma e mantenha o bom humor. Feliz Natal!