sexta, 22 de fevereiro de 2019
Facebook Instagram Twitter Youtube
48 3053-4400

Caminhos da Educação - Patrícia Pozza

Planejamento anual: escolhas e fracassos

Publicado em 08/01/2019 00h10

A partir das escolhas realizadas no ano anterior e da avaliação destas, é possível planejar melhor o ano que se inicia.

Ao realizar essa reflexão boa parte das pessoas se sente mal e até mesmo frustrada, seja pelo que escolheram, porque não elegeram ações para a concretização de suas metas ou, devido a metodologia usada, que consideram “errada” para a concretização de seus ideais.

O processo de escolha das metas e do método para a concretização destas, deve ser bem analisado. Grande parte das vezes, os objetivos não são colocados de forma direta, o que dificulta a determinação de ações para o seu alcance. Assim, é importante que aquilo que se quer ou se pretende que aconteça seja elencado de forma objetiva. Por exemplo, se a pessoa tem como objetivo “saber ouvir diferentes opiniões”, pode transformar esse numa meta clara como “Eu quero em 2019, ouvir o feedback dos meus colegas de trabalho como uma outra forma de pensar as minhas propostas. As pessoas têm direito a pensar diferente.”. Além disso, esse exemplo é pessoal, não depende dos outros. “Não ser criticado pelos colegas de trabalho”, por exemplo, é um objetivo para o outro e não um objetivo pessoal.

Ao determinar uma meta, também é fundamental que se pense em onde, quando e com quem se quer alcançar o objetivo. É somente assim que se elaboram estratégias para lidar com a situação em questão. E as ações aí serão determinadas de forma racional sem rompantes do tipo “farei a qualquer custo!”. Para tanto é essencial que a pessoa se imagine mentalmente executando a ação e verificando os pós e os contras no desempenho desta. Isso facilita poder determinar, por exemplo, se consegue executar sozinho o que se deseja.  Caso contrário, pode estabelecer como estratégia primeira, por exemplo, fazer terapia para o alcance de sua meta.

Independente do estabelecimento de estratégias há diferentes razões que levam a pessoa a desistir do que se pretende. Por exemplo: baixa autoestima, falta de confiança e medo, assim como, as dificuldades familiares, de relacionamento, financeiras e relacionadas a doenças. Mas em grande parte, ainda estão as instabilidades emocionais como causadoras das dificuldades na execução dos objetivos. Há pessoas que dependem de um clima psicológico ótimo a fim de continuarem trabalhando em busca de seus objetivos. Porém, a vida tem seus “altos e baixos”. Todas as pessoas têm os seus desafios existenciais e se estes forem motivo para o desanimo frente a execução das metas anuais, perde-se grande parte de possibilidades com o ‘desculpismo’ acerca do porquê de não ter feito isso ou aquilo. Embora isso, o fracasso na execução dos objetivos, também faz parte da vida. É muitas vezes necessária uma boa dose de bom senso a fim de “rir” de si mesmo com a escolha das estratégias e reavalia-las como a aprendizagem do “como não fazer”. Só não falha quem não faz nada.

É fundamental que a pessoa tenha em mente que não há quem não tenha fracassado no alcance de um ou outro objetivo de vida. E mais, que os “fracassos”, são sempre convites para tarefas novas e melhores, forçando a pessoa a sair da insegurança de aventurar-se ao novo, ao diferente, de mudar.

Por fim, estabelecer metas para um ano e trabalhar no alcance de seus objetivos, é uma das formas de realização pessoal na vida. Por isso, planeje 2019!


VOLTAR
Notisul - Um Jornal de Verdade
LIGUE E ASSINE (48) 3053-4400 Rua Ricardo José Nunes, 346 - Jardins de Pádova - Santo Antônio de Pádua - CEP: 88701-571 - Tubarão/SC
Copyright © Notisul - Um Jornal de Verdade 2017. Desenvolvido por Demand Tecnologia e Bfree Digital